terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Um outro olhar (um conto de Natal)

O conto foi escrito hoje, mas com a emoção do espírito de Natal que toma conta de todos nós. Então perdoem qualquer falha. Não chegou a ir para a gaveta. :)

Espero que gostem.

Feliz Natal!!!
--------------------------------

Um outro olhar

Ana Cristina Melo


Era um boneco de neve daqueles que ele vira no filme engraçado, assistido pela vitrine da loja de eletrodomésticos. Mexeu os olhinhos e o boneco derreteu para se tornar o colchão velho colocado na frente da casa enfeitada. Deu dois passos, saindo da proteção do viaduto e parou quando viu uma estrela cadente. Pisca. Pisca. Pisca. Os olhinhos se acostumando às visões da noite fria; era apenas um aviãozinho, tão pequeno visto dali, que bem alto riscava o céu. Seu corpo começou a tremer de frio, as buzinas estridentes feriam seus tímpanos. A dor no estômago aumentava. Até a cola que disfarçaria essa dor lhe roubaram. De repente, suas pernas foram perdendo as forças, e seu corpinho foi envergando à beira da avenida, se amontoando na calçada. As pessoas passavam por ele, e não enxergavam, mas desviavam. Sua respiração dificultou, e as luzes das casas começaram a ficar disformes, simulando um arco-íris. Pisca. Pisca. Pisca. Não posso dormir. Pisca. Pisca. Pisca. Ainda preciso encontrar minha mãe. Pisca. Pisca. Pisca. Uma imagem desfocada foi se tornando nítida. Era um papai noel que atravessava a avenida, às suas costas algumas pessoas em passos ritmados. A figura bonachona e os outros se aproximaram, quando o foco voltou a se perder até sumir.


Havia vozes ao seu lado. Seus olhos lutavam para se manterem fechados. Ele lutava por continuar enxergando. Já não sentia tanto frio. Minutos de burburinho que pareceram dois séculos, e ele sentiu seu corpo ser erguido. Um líquido encostou em sua boca. A água umedecendo a garganta e o corpo tiritando menos: os olhos se entregaram. Abriram.


Havia uma mulher, feições delicadas, vestido azul, que lhe amparava a cabeça. Havia homens, comuns, que seguravam, cada um, comidas diferentes. E à sua frente, o homem de vestes vermelhas oferecendo uma sacola transparente, com roupas e um boneco, que o menino trouxe para debaixo da coberta desconhecida que lhe aquecera.


O menino só então se lembrou de desejar Feliz Natal.

sábado, 20 de dezembro de 2008

Conto Telefonemas no Histórias Possíveis

O Histórias Possíveis é uma revista literária que publica narrativas inspiradas por notícias. Nasceu assim, com uma idéia simples mas genial.

Quantas vezes não nos pegamos diante de um papel em branco (ou tela em branco), pensando no que escrever. E basta uma palavra ou uma frase de jornal para acender a idéia mais fantástica.

Mês passado, a revista completou 1 ano no ar. Hoje saiu a edição 32 que traz um Especial de Natal com contos ligados ao tema, escritos pelos autores fixos da revista; além dos textos de mais três autores convidados.

E entre os convidados, vocês irão me encontrar, com o conto Telefonemas.

Um convite meu: leiam!

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Workshop gratuito na Estação das Letras

A Estação das Letras está promovendo em janeiro workshops gratuitos sobre os principais gêneros literários.

Detalhes abaixo (retirado do próprio site da Estação):

Universos da Criação Literária - mergulhos de verão
"Workshops gratuitos de leitura e criação literária em vários dos principais gêneros literários que a Estação das Letras desenvolve em sua grade de cursos. Experiência única para as pessoas que ainda não experimentaram receber orientação de uma oficina de criação literária.
Da escrita criativa passando pelo conto, a literatura infantil e a poesia, os workshops acontecerão durante todo o dia 10/01, sábado, a partir das 9h da manhã.
Na Estação das Letras - Rua Marquês de Abrantes, 177 - Loja 107

10 de janeiro

  • 9 às 10 - Mergulho na Poesia
  • 12 às 13h - Mergulho na Escrita
  • 13h30 às 14h30 - Mergulho no Conto
  • 15 às 16h - Mergulho na Literatura para crianças
  • 15 às 16h - Mergulho na Crônica "

Notícias da semana


* Entrevista com Ítalo Moriconi sobre Editora da Uerj

Em matéria publicada dia 15/12/2008 no Globo on-line, Ítalo Moriconi fala sobre seus planos à frente da EdUerj (a Editora da Uerj), incluindo o aumento de livros publicados.


* Segunda edição do Dicionário Houaiss de Sinônimos e Antônimos
(matéria divulgada no Publish News de 17/12/2008)

"Folha de S. Paulo - 17/12/2008 - por Mônica Bergamo
Mônica Bergamo informa que ficou pronta a segunda edição do Dicionário Houaiss de Sinônimos e Antônimos, editado pela Publifolha e elaborado pelo Instituto Antônio Houaiss com base nas regras da nova ortografia da língua portuguesa. O livro traz 20.158 verbetes com mais de 196 mil sinônimos e mais de 90 mil antônimos, além de classificação gramatical, indicação de usos das palavras e exemplos extraídos da língua."


* Saramago diz que Viagem do elefante pode ser último livro

(matéria divulgada no Publish News de 17/12/2008)

"Estado.com - 16/12/2008 - por Redação
O autor português José Saramago reconheceu nesta terça-feira, que A viagem do elefante pode ser seu último livro. "Tenho 86 anos e estou suficientemente lúcido. (Mas) já não espero escrever muitos livros e se escrevo algum é um milagre", disse. O escritor apresentou seu novo livro na Casa de América, em Madri. O título já vendeu mais de 70 mil exemplares na Espanha. Saramago agradeceu a boa recepção à obra, escrita em 2007, enquanto lutava contra uma grave infecção respiratória. Agora, o escritor já está curado. "Não tenho motivos para queixar-me aqui (na Espanha) e em Portugal. Sair de uma enfermidade tão complicada como a minha e tirar forças de onde não se tem...estou contente", afirmou, emocionado. A viagem do elefante é inspirado em um fato real."


* Autores preocupados com os direitos autorais
(matéria divulgada no Publish News de 16/12/2008)

"Blog do Galeno - 16/12/2008 - por Galeno Amorim
A Associação de Escritores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil está distribuindo um documento onde manifesta sua preocupação diante de possíveis mudanças na legislação de direitos autorais, conforme Galeno Amorim. Segundo a presidente da AEILIJ, Anna Claudia Ramos, os autores andam "muito preocupados" com as informações desencontradas que têm circulado por aí.

Blog do Galeno - 15/12/2008 - por Galeno Amorim
O Ministério da Cultura ainda está consultando as entidades do mercado editorial e os representantes dos escritores sobre as mudanças na legislação que rege os direitos autorais no País. Mas tem dito que já tem pronta a versão de uma minuta que pode ser enviada a qualquer momento para a Casa Civil, informa Galeno Amorim. Longe da Esplanada dos Ministérios, autores e editores andam curiosíssimos para saber o que está escrito lá."


* Lista de melhores do ano por Daniel Piza
(matéria divulgada no Publish News de 15/12/2008)

"O Estado de S. Paulo - 14/12/2008 - por Daniel Piza
O que esses chatos que vivem dizendo que os livros e os jornais vão desaparecer não conseguem abolir é o poder transformador da leitura, em papel ou não. Desde 1996 faço todo ano esta lista dos melhores produtos e eventos culturais e verifico todo ano quantos livros interessantes foram publicados. Mais uma vez o maior número de destaques ocorre em não-ficção, especialmente história, crítica e biografia, e mais uma vez as reedições chamam atenção, sobretudo em romances. Mas começo pela ficção atual. Neste ano tivemos Fantasma sai de cena e Indignation, de Philip Roth, For You, de Ian McEwan, e Órfãos do Eldorado, de Milton Hatoum. Li muitas outras coisas, como sempre bastante elogiadas na imprensa brasileira, mas nada que se comparasse com esses. O nível sobe quando incluímos ficções recentes que ainda não haviam sido traduzidas no Brasil, a começar pelo extraordinário Austerlitz, do austríaco W.G. Sebald, de quem também saiu Vertigem, seu primeiro livro. Putas assassinas e Amuleto, do chileno Roberto Bolaño, também são magistrais, embora menos conhecidos que Noturno do Chile e Os detetives selvagens."





quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Amor em cubos de gelo

Nada mais angustiante para um escritor --ou pretenso escritor -- do que ver a gaveta cheia...

Os contos que lotavam minha gaveta virtual (meu pen drive) decidi, há uns seis meses, reunir em livro. Claro que ainda está inédito. Estou esperando o momento certo (que nem eu sei bem qual é) para me jogar nessa corrida literária. Por enquanto, é bom saber que eles não estão mais soltos, que agora formam um único volume, coesos, unidos.

O título: Amor em cubos de gelo.

Dividi o livro em duas seções: "Líquido" e "Sólido" e agrupei 22 contos que falam de relações de todo tipo, do amor em pequenos e grandes gestos, da falta de amor.

Há dois contos que estão no livro que são os textos premiados no Prêmio Cataratas e no Concurso da Fundação Cultural de Canoas.

Assim, para ter a sensação de que ele deixou um pouco a gaveta, coloco seu nome aqui no blog: nesse post e aí ao lado.

Espero que um dia eu possa relembrar esse post, para avisar do seu lançamento ao mundo... :)

sábado, 13 de dezembro de 2008

Versão on-line do Dicionário Caldas Aulete

Há uns quinze dias eu divulguei um post sobre mais um site de dicionário on-line, o Português Exato.

Agora temos outro disponível, e de peso. É o iDicionário Aulete, a versão on-line do Dicionário Caldas Aulete. O endereço: www.aulete.portaldapalavra.com.br

Veja abaixo a notícia que saiu na Revista Língua Portuguesa desse mês:

"Aulete ganha versão on-line
(Seção Vírgulas)

O famoso dicionário Caldas Aulete está disponível em versão beta para internet. Editado originalmente no final do século XIX, um dos mais preciosos bancos de dados da língua portuguesa pode ser acessado na íntegra pela rede. Está dividido em dois módulos: a versão original do Caldas Aulete, atualizada para o Brasil até a década de 80 e com mais de 200 mil verbetes; e uma versão com 86 mil verbetes, atualizados segundo o universo léxico contemporâneo, em fase de ampliação e correção, e com a participação de usuários.

O iDicionário Aulete também conta com informações sobre gramática, exemplos, pronúncia sonora das palavras e ilustrações, entre outros recursos. O endereço do dicionário virtual é www.aulete.portaldapalavra.com.br."

Fonte: Revista Língua Portuguesa (edição de Dezembro/2008)

Notícias da semana

Não faltaram assuntos para eu postar essa semana, o que me faltou foi tempo. Excesso de trabalho. E quem foi que disse que funcionário público não trabalha? Esqueceram de dizer isso para os pobres analistas de sistemas. :)

Vamos lá, que tenho muita notícia que fiquei devendo a vocês.

Notícias da semana:

Imprensa Oficial vai publicar clássicos da literatura brasileira
Jornal do Brasil - 05/12/2008 - por Redação
(divulgado pelo PublishNews de 09/12/2008)

Com o aval do governador Sergio Cabral, a Imprensa Oficial do Estado do Rio de Janeiro vai publicar, a partir do ano que vem, clássicos da literatura brasileira para serem distribuídos gratuitamente à população. Cada livro será produzido em grandes tiragens, em torno de 100 mil exemplares, que serão encaminhados, sem custo, às mãos dos leitores. Além de obras literárias, a Imprensa Oficial também deverá colaborar com a Secretaria Estadual de Educação, publicando títulos de livros didáticos para serem empregados em sala de aula. “Vamos inundar o Rio de Janeiro de livros”, disse o presidente da Imprensa Oficial, Haroldo Zager, durante a abertura da 40ª Reunião da Associação Brasileira de Imprensas Oficiais (ABIO).


Exemplo carioca
O Globo - 09/12/2008 - por Joaquim Ferreira dos Santos
(divulgado pelo PublishNews de 09/12/2008)

A coluna Gente Boa informa que vai ser inaugurada oficialmente na sexta-feira (dia 12), na Vila da Penha, a biblioteca Tobias Barreto construída pelo ex-operário Evando dos Santos com projeto de Oscar Niemeyer. Tem 10 mil títulos. Os mais procurados são os didáticos e os romances de Lima Barreto.


Saramago na ABL
O Globo - 09/12/2008 - por Ancelmo Gois
(divulgado pelo PublishNews de 09/12/2008)

Ancelmo Gois informa que, duas semanas depois de visitar a ABL, no Rio, o português José Saramago, 85 anos, deve ser escolhido sócio-correspondente da nossa Academia. Vai ocupar a vaga do conterrâneo Alçada Baptista, que morreu aos 81 anos, domingo.


Biblioteca Nacional divulga seus premiados
O Globo - 10/12/2008 - por Redação
(divulgado pelo PublishNews de 10/12/2008)

O romance Cordilheira, do jovem gaúcho Daniel Galera, publicado pela Companhia das Letras, é o vencedor do Prêmio Machado de Assis da Biblioteca Nacional na categoria, de acordo com o resultado anunciado nesta terça-feira pela instituição. O livro, cuja trama se situa em Buenos Aires, é o primeiro lançamento do projeto Amores Expressos, que levou diferentes autores brasileiros a capitais de todo o mundo para escrever ficções. Embora jovem, Galera é considerado um dos grandes talentos da literatura contemporânea. A solenidade de premiação — para os escolhidos em cada uma das oito categorias contempladas pela instituição anualmente — será na próxima terça-feira, dia 16, às 17h, no auditório Machado de Assis da Biblioteca Nacional. Cada autor receberá R$ 12.500.


Associação escolhe os melhores das artes em 2008
Publishnews - 10/12/2008 - por Redação

Na noite do dia 9, terça-feira, os críticos de São Paulo elegeram, em assembléia realizada no Sindicato dos Jornalistas do Estado de S. Paulo, os melhores de 2008 nas seguintes categorias: Artes Visuais, Cinema, Dança, Literatura, Música Erudita, Música Popular, Rádio, Teatro, Teatro Infantil e Televisão. A cerimônia de entrega dos prêmios da Associação Paulista de Críticos de Artes acontecerá no primeiro semestre de 2009, em local a ser decidido. Para a realização da tradicional festa de entrega, a APCA (entidade sem fins lucrativos, patrimônio ou contratos de remuneração) está em busca de patrocínio. Na literatura, os eleitos são: em Romance, Flores Azuis (Cia. Das Letras), de Carola Saavedra; em Poesia, Anima Animalis (Letra Selvagem), de Olga Savary e Marcelo Frazão; como Ensaio, A Construção do Gosto (Ateliê), de Maurício Monteiro; em Biografia, O Santo sujo (Cosac Naify), de Humberto Werneck; como Tradução se destacou Paulo Bezerra por Irmãos Karamazov, de Dostoievski (Editora 34); em Reportagem, O livro amarelo do terminal (Cosac Naify), de Vanessa Bárbara, e, como Memória, Memórias inventadas - A terceira infância (Planeta), de Manoel de Barros.


Ano de Euclides
Publishnews - 12/12/2008 - por Redação

O acadêmico Cícero Sandroni foi reeleito presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL), para o ano de 2009, juntamente com os demais membros da atual diretoria - secretário-geral Ivan Junqueira, primeiro secretário Alberto da Costa e Silva, segundo secretário Nelson Pereira dos Santos e tesoureiro Evanildo Bechara. A posse da diretoria agora reconduzida será na próxima quinta-feira, dia 18, em sessão solene no Salão Nobre do Petit Trianon. O presidente reeleito anunciou que 2009 será “o ano Euclides da Cunha” na Academia, marcado pela exposição “Euclides Vive!”. “Assim como 2008 foi focado no centenário da morte de Machado de Assis, no ano que vem a Academia dedicará grande parte de sua programação cultural às homenagens a Euclides. Vamos montar o que pretendemos que venha a ser a maior exposição em torno de sua obra monumental”, contou. Além disso, as atividades vão envolver ciclos de palestras, edições e visitas guiadas.



Pedreiro inaugura biblioteca no subúrbio
Portal G1 - 11/12/2008 - por Aluizio Freire
(divulgado pelo PublishNews de 12/12/2008)

Para chegar até Evando dos Santos, na Vila da Penha, no subúrbio da Leopoldina do Rio, basta perguntar: “Onde fica a casa do senhor dos livros?”. Qualquer frentista, camelô, dona de casa ou comerciante sabe onde fica a residência do pedreiro de 48 anos que conseguiu reunir em sua própria casa 55 mil volumes dos mais variados gêneros literários na obstinada saga de levar conhecimento às pessoas. A partir desta sexta-feira, ele ganha novo endereço. Com a presença da escritora Nélida Piñon, será inaugurada no bairro a Biblioteca Comunitária Tobias Barreto de Meneses, um prédio criado a partir de um projeto do arquiteto Oscar Niemeyer para abrigar as obras. Mas não será só isso. Para a alegria dos moradores, principalmente dos jovens da região, além dos vários títulos, reunidos por Evando ao longo de uma década – não recusou nenhuma doação, mesmo tendo que sair de ônibus para trazer um pesado saco com os volumes - o espaço conta agora com auditório, salas de leitura e de aulas para cursos de idiomas como espanhol, italiano, inglês, alemão e francês.

domingo, 7 de dezembro de 2008

Minissérie Capitu



"Na terça-feira, entra no ar um artigo do crítico e escritor Gustavo Bernardo sobre "Capitu", a minissérie de Luiz Fernando Carvalho feita a partir de "Dom Casmurro", de Machado de Assis, que estréia na própria terça na TV Globo." Fonte: Prosa e Verso (06/12/2008)

Eu mesma estou na expectativa da estréia. Li ontem no site oficial da minissérie, que foi mantida, ao longo dos cinco capítulos, toda a estrutura narrativa em que Dom Casmurro escreve e nos conta sua própria história. Estão preservados também na minissérie não só as palavras e os diálogos, como também as diversas camadas do texto, com suas divisões em pequenos capítulos, através de cartelas que anunciam a cena que está por vir.

Há toda uma inovação para a divulgação da minissérie Capitu. Foi criado o Projeto Mil Casmurros, no qual está sendo feita uma leitura coletiva da obra "Dom Casmurro". O livro foi dividido em mil trechos que estão disponíveis em http://www.milcasmurros.com.br/. Qualquer um pode escolher um trecho ainda não lido e gravá-lo diretamente pelo site. Há gravações feitas por Tony Ramos, Fernanda Montenegro, Regina Duarte e Ferreira Gullar. No mesmo endereço também será possível assistir aos capítulos, um dia depois de sua exibição.

Outra estratégia foi a distribuição de duas mil cópias de um DVD com imagens da produção, que foram deixados em diferentes locais públicos. Quem encontrar os DVDs receberá instruções para assisti-lo, opinar sobre a obra no site http://www.passeadiantecapitu.com.br/ e entregar o vídeo para outra pessoa, criando uma corrente cultural e interativa.

Fonte: Revista da TV

Vídeo com as chamadas da minissérie:

sábado, 6 de dezembro de 2008

Conto inédito do Marcelo Moutinho no Prosa online

Quarta-feira sairá publicado no blog Prosa online um conto inédito ("Folia") do Marcelo Moutinho, autor de Somos todos iguais nesta noite (Editora Rocco) e meu professor da oficina avançada de contos, na Estação das Letras.

Aliás, a oficina está chegando ao fim, mas já deixou saudades. A turma é alto-astral e as dicas do Marcelo são de ouro. E como fiquei viciada em suas orientações, repetirei a dose ano que vem.

Para quem quiser aproveitar: a agenda de 2009 da Estação das Letras já está disponível no site. Tem cursos ótimos. Pena que a conta bancária não me permita fazer todos que o amor literário tem vontade.

Não percam!

Para a semana: Manuel Bandeira

Para o sábado e todos os próximos dias, uma poesia e toda sensibilidade de Manuel Bandeira.

VELHA CHÁCARA

A casa era por aqui...
Onde? Procuro-a e não acho.
Ouço uma voz que esqueci:
É a voz deste mesmo riacho.

Ah quanto tempo passou!
(Foram mais de cinqüenta anos.)
Tantos que a morte levou!
(E a vida... nos desenganos...)

A usura fez tábua rasa
Da velha chácara triste:
Não existe mais a casa...

-- Mas o menino ainda existe.

(Lira dos Cinqüent'anos, 1944)
Fonte: BANDEIRA, Manuel. Antologia Poética. Editora Nova Fronteira

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

O que tenho lido...


Para quem já começou a preparar a lista de presentes, para os outros ou para vocês mesmos, minhas sugestões de leitura.

Os últimos livros que li:
  • A voz do escritor - Al Alvarez - Editora Civilização Brasileira
  • Antonio - Beatriz Bracher - Editora 34
  • De cabeça baixa - Flávio Izhaki
  • A chave de casa - Tatiana Salem Levy
Mais do que indicações, ofereço minhas felicitações pelos livros da Beatriz e da Tatiana. São textos fortes, que marcam.

"Antonio" ficou em 2º lugar no Prêmio Portugal Telecom e em terceiro no Prêmio Jabuti. Além disso, foi finalista do Prêmio São Paulo de Literatura.

"A chave de casa" foi finalista no Prêmio Jabuti e a grande vencedora como Melhor Livro de autor estreante no Prêmio São Paulo de Literatura.

Todos os prêmios foram merecidos. Mas o texto da Tatiana que acabei há pouco me conquistou de todas as formas. Pela linguagem, pela sensibilidade, pela competência.

Entrevista com Saramago

Super dica do blog da Adriana Lisboa:

Está disponível na rede a entrevista em forma de sabatina que a Folha de São Paulo fez com o escritor José Saramago.

Aproveitem!

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Nenhum vencedor no Prêmio Tusquets

Interessante, não basta competir, é preciso ter um mínimo de aceitação. O 4º Prêmio Tusquets, considerado um dos mais importantes da língua hispânica, não teve nenhum vencedor, por nenhum dos livros empolgar o júri.

Veja a matéria completa do JB online de 02/12/2008:

"Prêmio Tusquets, para livros em espanhol, fica sem vencedor
JB Online

RIO - Ninguém ganhou o 4º Prêmio Tusquets, um dos mais importantes da língua hispânica, informaram hoje os seus jurados, durante a Feira Internacional do Libro (FIL) de Guadalajara.

De acordo com a organização do concurso, nenhum dos livros empolgou o júri. O mexicano Elmer Mendoza, vencedor do ano passado e um dos jurados desta edição, explicou:

- Todos os romances que lemos eram fantásticos... Até a metade.

O chefe do júri, o ganhador do prêmio Cervantes 2008, Juan Marsé, acrescentou que esta "não foi uma decisão fácil". O prêmio ficará acumulado para a próxima edição, que passará a valer 40 mil euros.

Não é a primeira vez que a láurea fica sem um vencedor: sua primeira edição também não coube a ninguém. A editora Tusquets, que promove o concurso, garantiu que não pensa em acabar com a sua existência, e que a não-premiação mostra "a independência e o rigor" dos jurados. Apesar disso, ela admite que pode mudar o regulamento para o ano que vem.

Ao todo, candidataram-se 427 autores, de diferentes países - 200 a mais que no ano passado."

Fonte: JB online

Por curiosidade, busquei a notícia na web. Achei a referência no site Chron.com:

Declaran desierto premio Tusquets de Novela
Por LAURA SANTOS © 2008 The Associated Press
Dec. 2, 2008, 4:05PM
Por segunda vez en sus cuatro años de historia, el Premio Tusquets Editores de Novela fue declarado desierto, según anunció la editorial el martes en el marco de la Feria Internacional del Libro (FIL) de Guadalajara, México.

Arquivo Pessoa

O blog Produção Editorial sempre nos traz boas notícias. A última que copio aqui é sobre o novo site Arquivo Pessoa que está reunindo, em caráter oficial, grande parte dos textos de Fernando Pessoa. São poemas, arquivos pessoais e correspondências. O objetivo é disponibilizar toda a sua obra.

O endereço do Arquivo Pessoa é http://arquivopessoa.net/.

Fonte: Blog Produção Editorial

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Leitura em debate


Recebi hoje um convite para o último Leitura em Debate : a literatura infantil e juvenil do ano que acontecerá na Biblioteca Nacional. Será nesta quinta-feira (dia 04), às 16h.

Para quem não puder comparecer haverá transmissão em tempo real pelo site do Instituto Embratel: http://www.institutoembratel.org.br/. Basta entrar no site às 16h, clicar em TVPontocom e assistir.

A entrada é franca.

O tema é Livros e família: leituras compartilhadas, com a participação de:
  • Laura Sandroni
  • Luiz Raul Machado
  • Ninfa Parreiras
  • e mediação de Anna Claudia Ramos

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Prêmio São Paulo de Literatura

Rapidinha, pois a semana está atribuladíssima...

Saiu ontem os dois grandes vendedores do Prêmio São Paulo de Literatura.

Na categoria Melhor Livro do Ano de 2007: O filho eterno de Cristóvão Tezza.

Na categoria Melhor Livro do Ano de 2007 (Autor estreante): A chave de casa, de Tatiana Salem Levy.

Fonte: Digestivo Cultural

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Uma ótima iniciativa, e gratuita

Enquanto alguns aumentam a nossa conta, outros incentivam a cultura, sem cobrar nada por isso. O Metrô Rio o o Instituto Brasil Leitor inauguraram mais uma unidade da biblioteca popular "Livros & Trilhos", na qual os sócios, previamente cadastrados, têm acesso aos livros gratuitamente.

Veja abaixo a notícia divulgada no Globo onLine e enviada pelo PublishNews em 26/11/2008.

Livros & Trilhos é inaugurada na estação Siqueira Campos
O Globo Online - 26/11/2008 - por Redação

Na quarta-feira, às 15h, o Metrô Rio e o Instituto Brasil Leitor (IBL) inauguram mais uma unidade da biblioteca popular "Livros & Trilhos", desta vez, na estação Siqueira Campos. A primeira foi instalada na estação Central em dezembro de 2006 e conta com 5.800 sócios que têm acesso aos livros gratuitamente. “As bibliotecas instaladas dentro do metrô provam que o brasileiro quer e gosta de ler. Facilitar o acesso aos livros era o que faltava para incentivar a leitura em um mundo moderno e apressado”, explica William Nacked, diretor geral do Instituto Brasil Leitor, criador e gestor do projeto. A estimativa é chegar a dois mil usuários nos primeiros quatro meses de funcionamento. A Biblioteca Livros & Trilhos da Estação Siqueira Campos funcionará de segunda a sexta-feira, das 11h às 20h. Para utilizar o serviço, os passageiros precisam apenas fazer um cadastro, que é gratuito.

Senado impõe limites à meia-entrada

O grande problema do Brasil, ou de quem faz as suas leis, é que se tenta acabar com os ratos colocando remédio (mesmo que mate outros animais inocentes), em vez de recolher o lixo que os atrai.

Desculpem a metáfora tão forte, mas é indignante pensar no caminho que se toma para solucionar questões sérias. E mais ainda pensar que as pessoas que deveriam ser as primeiras a defender o acesso à cultura são as primeiras a aplaudir decisões que violam o bom-senso.

O Senado aprovou um Projeto de Lei que regulamenta a concessão da meia-entrada para estudantes e idosos acima de 60 anos. Até aí está tudo bem, mas vamos continuar. O problema é que a proposta limita esses ingressos a 40% do total de ingressos disponíveis para cada evento.

Qual a justificativa? coibir a falsificação das carteiras de estudantes, problema apontado pelos produtores culturais.

A partir disso eu pergunto o seguinte: se a justificativa se baseia nas falsificações das carteiras, por que não centralizar num órgão de confiança a emissão dessas carteiras? Por que incluir nesse projeto as entradas de idosos? Será que os pobres velhinhos estão falsificando rugas e cabelos brancos? E como ficarão as meias-entradas para crianças? Então num espetáculo infantil, um casal com dois filhos passa a pagar 4 inteiras?

E quem garante que haverá lisura nas bilheterias para controlar esses 40%? Quem irá fiscalizar isso? O que fará um idoso que queira assistir a um espetáculo e já na fila seja surpreendido com a notícia que terá que pagar um ingresso inteiro? E uma família com 2 ou 3 filhos? Eles dizem às crianças "desculpe, os ingressos que o papai pode pagar acabaram. Vamos voltar para casa." Por que não se votou um subsídio para essas meias-entradas?

Será que as salas de espetáculos estão tão cheias que os artistas podem se dar ao luxo de dispensar espectadores? Deve ser esse o motivo que tantos artistas ficam pelos andares do Shopping da Gávea divulgando suas peças, não é? É porque está faltando público...

Para mim festejar a aprovação desse projeto é valorizar uma posição elitista. O quanto se acha que a classe média consegue separar de seu orçamento para o lazer, considerando R$ 15 um ingresso de cinema, ou R$ 40 a R$ 60 um ingresso para teatro. Uma família de 4 pessoas (que é o meu caso) numa ida ao teatro, a esses valores, passaria a gastar no mínimo R$ 165 (considerando só o estacionamento, sem dar direito às crianças de lancharem). Talvez para o topo da pirâmide esse valor seja uma gorjeta de final de semana, não é?

Levo meus filhos com freqüência ao cinema e ao teatro, e me valho, sim, de meias-entradas para as crianças e de ingressos promocionais, pois além da cultura, eu preciso oferecer educação e saúde a eles, o que já me garante uma boa quantidade de dígitos no orçamento.

Abaixo a notícia publicada no Blog do Noblat a respeito, e a seguir outros links.

"Senado impõe limites à meia-entrada
De Adriana Vasconcelos:

Em meio à pressão de produtores culturais, artistas e estudantes, que não conseguiram se entender, a Comissão de Educação do Senado aprovou ontem, por unanimidade, projeto de lei do senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) que regulamenta a concessão da meia-entrada para estudantes e idosos acima de 60 anos. A proposta limita a concessão da meia-entrada a 40% do total dos ingressos disponíveis para cada evento. Contrário à fixação dessa cota, o senador Inácio Arruda - do PCdoB, ligado à União Nacional dos Estudantes - tentou suprimir esse dispositivo do texto, mas seu destaque foi rejeitado com 14 votos contra e apenas sete a favor.

Para coibir a falsificação das carteiras de estudantes - apontada por produtores culturais e pela classe artística como responsável pelo aumento dos ingressos e até por inviabilizar espetáculos -, o projeto autoriza o Executivo a criar o Conselho Nacional de Fiscalização, Controle e Regulamentação da Meia-Entrada e da Identificação Estudantil. Caberá a esse conselho fixar critérios para a padronização, confecção e distribuição das novas carteiras estudantis, além de organizar mecanismos de controle da venda da meia-entrada e estabelecer um prazo de compra antecipada para a aplicação do benefício.

O resultado foi comemorado por produtores culturais e inúmeros artistas que acompanharam a votação - entre eles, os atores Wagner Moura, Christiane Torloni, Beatriz Segall e Gabriela Duarte. O presidente da Associação dos Produtores Teatrais Independentes de São Paulo, o ator Odilon Wagner, elogiou a fixação da cota e a inclusão, na última hora, de emenda do senador Augusto Botelho (PT-RR) sugerindo que o governo busque forma de ressarcir os produtores culturais pelo benefício."

Outros links a respeito:

Agência Brasil - Cota de 40% para meia-entrada divide opiniões
Estadão - Veja o que impõe o projeto de lei sobre a meia-entrada

Lançamento do livro Vibratio de Catarina Pereira

Terça-feira, dia 2 de dezembro, a partir de 18:30 hs, haverá na Estação das Letras o lançamento do livro de contos Vibratio de Catarina Pereira. O livro sai pela Editora Cais Pharoux.

Fiz duas oficinas com a Catarina e seus contos têm muito valor. Para quem quiser ter uma prévia, pode ler um dos contos que está no livro - O mundo em cores vibrantes. Esse texto pode ser acessado no site da Estação ou no Portal Literal.

Parabéns, Catarina!

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Site Português Exato

Quem já não se viu precisando de um dicionário, sem ter nenhum por perto. Quando aconteceu comigo me virei bem com o dicionário on-line Priberam.

Hoje, foi divulgado mais um site útil para nos salvar nessas horas ingratas. E melhor, com a grafia do novo Acordo Ortográfico.

A Porto Editora lançou o Português Exato. O site pelo que percebi já existe há algum tempo, pois a grafia ainda é antes do Acordo Ortográfico (o endereço e o título trazem exacto e não exato), mas é válido pela utilidade de "converter" palavras nas novas grafias, e ser mais um dicionário para consulta. Além da conversão com base no Acordo, o sistema ainda traz um tradutor gratuito de espanhol/português e português/espanhol.

No portal é possível ter acesso aos links Conversor do Acordo Ortográfico, Dúvidas Resolvidas e Analisador Morfológico. O conversor foi desenvolvido com base na gramática de Portugal.

Fonte: Publishnews - 26/11/2008

Personalidade Literária de 2008

O Portal Amigos do Livro está promovendo até o dia 31 de dezembro uma enquete que vai eleger a Personalidade Literária de 2008. Estão concorrendo:
  • Machado de Assis (Centenário de Morte);
  • Guimarães Rosa (Centenário de Nascimento);
  • Lygia Fagundes Telles (A Dama da Literatura Brasileira);
  • Paulo Coelho (100 milhões de Livros Vendidos);
  • João Ubaldo Ribeiro (Prêmio Camões);
  • José Mindlin (Bibliófilo Brasileiro) e
  • Laurentino Gomes (Autor do livro 1808).

Fonte: PublishNews de 25/11/2008

O livro de Obama

Matéria da Agência Brasil que lê, divulgada pelo PublishNews (25/11/2008):

O jornal britânico Daily Telegraph publicou 50 fatos curiosos sobre a vida do 44º presidente eleito da história dos Estados Unidos. Além da informação de que Obama já leu todos os volumes da série Harry Potter (Rocco), a publicação revelou que Moby Dick, de Herman Melville (Cosac Naify), é o seu livro favorito. Publicado pela primeira vez em 1851, o romance narra a luta de um capitão contra a terrível baleia branca Moby Dick.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Pescador de leitores

Eu tenho uma tendência de me emocionar mais com os pequenos gestos do que com os grandes.

Essa semana eu ia de carro para lecionar à noite, encarando o que restou do dilúvio que caiu no Rio, quando um rapaz de rua parou para pedir na janela do carro à frente. Foi involuntário, mas logo verifiquei as trancas e o vidro bem fechado. Atenta aos seus movimentos, logo percebi que ele tremia de frio, suportando o vento que devia cortar lá fora. Pés descalços, corpo sujo, não sei se ele pediu ou se adivinharam, mas de dentro do carro saiu para suas mãos meia tangerina descascada. Ele continuou a conversar e apertar os braços que tremiam. Devia contar do frio que estava passando ou um resumo da sua vida. O sinal abriu e ele se embrenhou entre os carros para longe dali. Fiquei sem reação. O que antes era medo, virou piedade, ternura, ou até vergonha dos meus pensamentos. Na realidade, minha melhor ou pior reação naquele momento foram as lágrimas que queimaram meus olhos. A vontade de ter um tempo a mais e fazer algo. De talvez poder trazer-lhe um agasalho, uma palavra de conforto, de poder lhe oferecer um destino melhor do que aqueles pés descalços, sujos, e o corpo sofrido de fome e de frio. Não devia ter mais do que vinte anos aquele menino.

O primeiro conto com o qual ganhei um concurso literário falava sobre semear esperança, em forma de educação. A Literatura precisa mostrar, instigar, incomodar os que ainda não olharam para os lados. Mas não dá mais para esperar que o outro faça alguma coisa, de forma concreta. Nossos vidros continuarão fechados, pois a violência da nossa cidade nos impõe a isto. Mas é hora de abrirmos mais nossos corações, aos pouquinhos, aos que necessitam. Não esperarmos que eles venham aos nossos vidros, mas que nós nos precipitemos até eles.

Precisamos vender sonhos. Sem cobrar por isso. Pequenos pedaços de esperança para os que não têm nenhuma.

E falando de sonhos, e de pequenos grandes atos, recebi hoje do PublishNews um texto do Galeno Amorim, que reproduzo na íntegra. Maravilhoso. Não fala dessa pobreza que descrevi, mas da riqueza de quem reconhece a importância dos livros, do saber. E faz o seu pouquinho.

Pescador de leitores
Publishnews - 25/11/2008 - por Galeno Amorim, da Agência Brasil Que Lê

O dia ainda não amanheceu quando seu Joaquim faz as primeiras manobras para estacionar a velha carroça diante da casa número 1.135 da Avenida Benjamin Constant. A vizinhança dorme o sono dos justos. São pontualmente cinco horas da manhã. Com todo cuidado, que é para não fazer barulho – que barulho, como ensinou o poeta, de nada resolve –, ele inicia o ritual que repete com fervor quase religioso nos últimos anos. O dono da casa o ajuda a empilhar, zelosamente, as sete caixas. O animal se assusta e ameaça relinchar. Mas o homem, que não quer saber de vizinhos acordando a essa hora da madrugada, sussurra alguma coisa que aquieta o bicho. No pouco espaço que resta na carroça, agora ele ajeita duas estantes de aço. Como quem sabe o que faz, o carroceiro ruma à direção do estádio, palco de gloriosas partidas do campeonato de futebol amador de Pirapora, no Alto do Rio São Francisco, interior de Minas. Mas não é este seu destino final. Minutos mais tarde, freia bruscamente o carro de tração-animal no meio da via pública. Apesar da hora, já há por ali um forte burburinho.

Homens e mulheres montam, sem perda de tempo, as barracas. Ajeitam, nas bancas, dúzias de tomates, laranjas e outras frutas frescas colhidas na véspera. A carga misteriosa é descarregada com cuidado e posta no chão. Perto dali, o cheiro que exala dos isopores de pescados impregna o amanhecer. Léo do Peixe está radiante. Tira do bolso duas notas de dez reais e paga o carreto. Domingo, afinal, é dia de feira livre no Santos Dumont, bairro de classe média baixa onde ele vive há anos. Nos dias de semana, Leonardo da Piedade Diniz Filho pesca e vende em casa os peixes que há 18 anos retira nas águas do Velho Chico. No domingo, faz a feira. Ao lado da barraca de peixes, a esposa monta sua barraca de roupas infantis. Quando as caixas são abertas, uma surpresa: não há nada ali que possa ser vendido nas duas bancas!

Mesmo assim, eles estão felizes. E o que tem lá dentro? Livros! São livros para leitores de todas as idades. Quando clarear o dia, mais uma vez eles estarão lá fazendo fila diante da inusitada barraca para, em vez de verduras ou frutas, enfiar na sacola uma outra categoria de alimento – esse, alimento para a alma. Lobato, Machado, Eça, Coelho, não importam os autores. Muitos vão lá só pelo simples prazer de acariciar as obras. Uns lêem lá mesmo, outros levam para casa e devolvem na outra semana. Cada um leva o que quer e, se não terminou de ler, também não tem problema: o prazo é prorrogado. Não há burocracia e também não paga.

É simples assim o Clube de Leitura de Pirapora, que começou por causa do medo de Léo do Peixe de ver os filhos de pais tão ocupados se afastarem aos poucos dos livros. Logo os filhos dos outros feirantes apareceram e, hoje em dia, já são 400 sócios – pelo menos 80 aparecem a cada domingo. Muita gente vai à feira só para pegar livros. O movimento cresceu tanto que o pescador precisou até contratar ajudantes. E como a biblioteca municipal não abre nos finais de semana, o clube agora é uma referência na cidade.

Léo diz que foram os livros que mudaram sua vida. Ele gostou tanto dessa história de pescador de leitores que resolveu abrir mais sete pontos de leitura pela cidade. Pra quem pergunta por que faz isso, Léo do Peixe tem a resposta na ponta da língua: “Quem não lê é um cidadão de segunda classe... (Agência Brasil Que Lê)
Galeno Amorim (www.blogdogaleno.com.br) é jornalista e escritor.

Fonte: PublishNews

Esperanças e mudanças em 1º de janeiro

A partir de 1º de janeiro estaremos afogando as mágoas de 2008 e reacendendo as esperanças de 2009. É sempre assim. O primeiro dia do ano traz as velhas promessas, que quase nunca são cumpridas, e uma expectativa de renovação. É como se fechássemos um livro e abrissemos outro, de linhas clarinhas, novinho em folha, cheiro de material recém-comprado.

O dia primeiro trará também cara nova nas cadeiras do município, com os prefeitos e vereadores eleitos. Vamos ver o que nos espera.

Mas para nós que estamos antenados com a Literatura, perceberemos outras mudanças. O Grupo Estado anunciou que vai adotar a partir do primeiro dia de 2009 o Acordo Ortográfico assinado em 29 de setembro, pelo presidente Lula.

Isso é bom, pois ler várias vezes as ideias dos outros (sem acento), será mais fácil nos acostumarmos com ela.

Abaixo a matéria divulgada pelo Estado de São Paulo, obtida no PublishNews, de 25/11/2008.

"O Grupo Estado vai adotar, a partir do dia 1º de janeiro de 2009, o Acordo Ortográfico aprovado em 1990 pelos oito países de língua portuguesa. Embora o decreto assinado em 29 de setembro deste ano pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na Academia Brasileira de Letras (ABL), no Rio, tenha estabelecido um cronograma com tolerância de quatro anos, até dezembro de 2012, para aplicação do acordo, O Estado de S.Paulo, Jornal da Tarde, Agência Estado e os portais na internet adotarão as novas regras na data em que elas entram oficialmente em vigor. “O fato de um jornal como O Estado de S. Paulo aplicar o acordo desde o primeiro dia é uma grande contribuição para a fixação e adoção das mudanças ortográficas”, disse o filólogo e acadêmico Evanildo Cavalcante Bechara, responsável na ABL pela aplicação do acordo."

domingo, 23 de novembro de 2008

Mensagem para a semana: Luz e gratidão

Quem sabe vira rotina! Há uma semana, deixei aqui uma poesia de Fernando Pessoa para acarinhar nossa semana.
Hoje fiquei com vontade de deixar uma nova mensagem. E em vez de poesia, um cântico que, hoje, me trouxe lágrimas ao coração, durante o ensaio da Primeira Eucaristia do meu filho.
Que essa semana seja plena de luz para todos nós.

És meu tudo
Quero te agradecer, meu Senhor e meu Deus,
pelo sol, pela lua, as estrelas e o céu infinito,
pela chuva que cai fecundando a semente na Terra,
que será o nosso alimento, força pra viver.

Te agradeço, meu Deus, por nos dar o teu Filho Jesus,
por nos dar Tua paz, Teu carinho e Teu amor sem fim.
Te agradeço por todo o carinho que tens por mim,
por meus pais, meus irmãos e amigos, Te louvo, Senhor.

És meu tudo, Senhor,
Te agradeço, de verdade,
pois Tua graça, meu Deus, afinal... vive em nós. (2x)

E Tua graça... E Tua graça...
E Tua graça, meu Deus, afinal vive em nós! (2x)

Agenda da semana

A semana está bem movimentada para a literatura. Entre tantos eventos que acontecerão na semana, apresento alguns:
  • 26/11 (quarta) às 17h30m - José Saramago, no Brasil para lançar "A viagem do elefante", será homenageado na Academia Brasileira de Letras. As senhas para o evento serão distribuídas a partir das 12h de terça-feira. (Fonte: Prosa e Verso)
  • 27/11 (quinta) às 19h - abertura ao público da Primavera dos Livros, nos jardins do Museu da República (Rua do Catete 153). A feira irá até 30/11, de 10h às 22h, e a entrada é gratuita. (Fonte: site da Primavera dos Livros)
  • 28/11 (sexta) às 21h - O jornalista Luiz Paulo Horta toma posse na cadeira número 23 da ABL. Será recebido pelo imortal Tarcísio Padilha. (Fonte: Prosa e Verso)
  • 29/11 (sábado) às 10h30m - Acontece a troca de livros na Estação das Letras, no Flamengo. Às 11h30m haverá um encontro com Claudia Lage, falando sobre "A Arte do Romance". (Fonte: Estação das Letras)

Natal sem fome dos sonhos

São com pequenos atos que podemos construir novos sonhos.

Sabemos que se espera de cada um a sua parte, mas isso ainda não é comum. Por isso é bom divulgar qualquer motivação que faça um ou outro sair da toca.

O Circuito Estação está participando da Campanha "Natal sem fome dos sonhos" com um incentivo a mais. Entre os dias 21 de novembro e 15 de dezembro, quem entregar ao gerente de um dos cinemas do Circuito Estação, 5 (cinco) brinquedos ou livros infanto-juvenis novos, ganhará 2 (dois) vale-ingressos (válidos até 21/01/2009) para assistir filmes em qualquer sala do Circuito.

O regulamento pode ser acessado em http://www.grupoestacao.com.br/eventos/natalsemfome/natalsemfome2008.htm.

E para saber mais sobre o projeto "Natal sem fome dos sonhos", acesse http://www.acaodacidadania.com.br/. No site da Ação da Cidadania você consulta os locais, em todo o Brasil, que estão aceitando doações.

Participem, com ou sem ingressos.

sábado, 22 de novembro de 2008

Recomendo: Cyrano no Teatro Clara Nunes


Assisti hoje à peça Cyrano, adaptação do clássico Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand. Minha opinião: simplesmente fantástico. Talvez as crianças menores não entendam completamente o espetáculo, mas não é por isso que sairão menos satisfeitas.

Experiência própria, pois fui acompanhada do maridão e dos filhotes de 4 e 10 anos. Meu filho, amante de literatura, curtiu na íntegra. Minha filha adorou, mesmo sem captar completamente os pormenores da história.

A proposta do espetáculo realça o que precisamos resgatar de mais importante: a palavra. E afirmo que o intento foi bem sucedido.

Impecáveis as atuações de Nívea Stelmann (Roxane), Thierry Figueira (Cristiano), Maurício Machado (Cyrano) e Tadeu Mello nas interpretações do conde, do cocheiro, da aia, e outros tantos personagens. Aliás, essa múltipla atuação de Tadeu é realçada pela perfeita comicidade do ator.

Mas se quiserem ter a oportunidade de curtir essa peça fantástica, vocês precisam correr. Só restam 3 espetáculos. A peça está em cartaz somente até o dia 30 de novembro, no Teatro Clara Nunes (Shopping da Gávea), aos sábados e domingos, às 17h.
E para conseguir aproveitar gastando um pouco menos, é só comprar os ingressos por meio do Projeto Teatro para Todos.

Aliás sobre o projeto apenas uma crítica negativa: o público de uma forma ou de outra é sempre desrespeitado. O projeto "Teatro para todos" oferece descontos em 41 peças até 21 de dezembro. Louvável pois o que direcionamos para o lazer não nos permite estar semanalmente nas salas de teatro. Porém, qual não foi minha surpresa ao chegar na bilheteria e descobrir que haviam lugares separados para os ingressos oriundos do projeto, e todos eles ficavam nas fileiras laterais. Eles deveriam distribuir junto com os ingressos um tubo de Gelol para melhorar o torcicolo.

E mais uma pequena reclamação: é preciso melhorar a limpeza dos banheiros do Shopping da Gávea. O banheiro feminino próximo ao Teatro estava deplorável.


Pescaria do espetáculo: "Amar em segredo é como ter asas e não poder voar".

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Campanha Teatro para Todos


Não só de literatura vive esses pobres escritores que somos nós...
Uma boa peça de teatro ou um bom filme faz muito bem para a alma.

E para que o sorriso seja mais sincero, nada melhor do que aproveitar um merecido desconto.
No próximo dia 21 de novembro começa a Campanha Teatro para Todos, que oferecerá mais de 50 mil ingressos para cerca de 40 espetáculos, com preços de R$ 5, R$ 10, R$ 15, R$ 20 e R$ 25. A promoção dura até 21 de dezembro.

Para evitar que as entradas para os espetáculos mais procurados se esgotem rapidamente, os bilhetes serão vendidos apenas para a semana.

Os pontos de venda dos ingressos:
  • Quiosque fixo da Cinelândia
  • Quiosque móvel
  • Lojas Americanas e Americanas Express
  • Postos BR, Mirilli, Piraquê, Radial Oeste e Boungainville
  • Posto Shell - São Bento
  • Modern Sound - Copacabana
  • www.ingresso.com
Fonte: O Globo - Rio Show e Site Teatro para Todos

domingo, 16 de novembro de 2008

Meu conto com Menção Honrosa no 9º Concurso de Literatura de Canoas

Uau!!!!!!!!

Que fim de semana maravilhoso!!!!!

Parece repeteco, mas não é! Acabei de descobrir mais um resultado de concurso. E adivinhem quem está lá novamente. Euzinha !!!!


Meu conto "Pequenos detalhes" recebeu Menção Honrosa no 9º Concurso de Literatura da Fundação Cultural de Canoas.


Mil saltos de alegria !!!!!!


Um agradecimento público à Livia Garcia-Roza. Lembro o quanto ela elogiou esse texto, quando o apresentei para ela. Posso dizer que meus escritos têm duas fases. A segunda fase começou com a oficina da Livia, com suas palavras de apoio e carinho. Minha querida escritora, você destruiu o peso que haviam colocado sobre mim, inibindo meus sonhos.


Para você, querida Livia, todo o meu carinho e o meu agradecimento. Se essa pequena escritora está desabrochando, devo isso a você.


O resultado do concurso pode ser conferido no link do Ficção de Gaveta.

sábado, 15 de novembro de 2008

Gastos x incentivos

Iniciativas que busquem divulgar nosso idioma e incentivar o apreço pela Literatura são sempre bem-vindas.

Na revista Língua Portuguesa, edição 34 (outubro/08) foram publicadas duas notícias interessantes. Meu único porém se refere ao custo destinado ao novo portal. Nosso país ainda possui muitas feridas sociais, para se pensar num gasto tão alto. Enquanto de um lado se gasta um valor tão excessivo para justificar a importância ao idioma, de outro há toda uma iniciativa, que busca atrair os jovens, sem que haja nada em troca, nem o benefício na média escolar.

Abaixo reproduzo parte das reportagens:

  • Governo anuncia portal do idioma até ano que vem
Juca Ferreira, o novo ministro da Cultura, disse à agência Lusa que um portal da língua portuguesa deverá ser criado até o fim do ano. A decisão foi tomada em reunião entre Ferreira e José Antônio Pinto Ribeiro, o ministro da cultura português. O projeto, que irá custar US$ 1 milhão, conta com o apoio do governo de Portugal para que seja posto em prática. (...)

  • Academia Mirim

Escolas começam a estimular a leitura criando versões infanto-juvenis e mambembes da Academia Brasileira de Letras

Por Antonio Carlos Santomauro

Bruna fala sobre a vida e a obra de Carlos Drummond de Andrade para mais de 50 atentos ouvintes. Às vezes, chama um deles para enriquecer sua exposição com informações adicionais ou com a leitura de textos. E todos vestem-se com o rigor próprio de quem se sente orgulhoso por viver tal momento.

Ao menos por enquanto, nem Bruna nem aqueles que a escutam ostentam históricos capazes de lhes conferir qualquer renome na pesquisa relativa ao poeta de Itabira. Também não estão ali motivados por salários ou jetons, com que são agraciados os integrantes de algumas academias.

Embora Bruna da Silva Oliveira tenha apenas 12 anos e, como sua platéia, curse o fundamental em uma escola municipal da periferia de São Paulo, tal reunião não decorre de nenhuma exigência curricular, nem visa melhorar os índices de desempenho escolar. Por puro amor à literatura, Bruna e seus ouvintes estão ali como integrantes da Academia Estudantil de Letras Padre Antonio Vieira, iniciativa precursora de um projeto criado para aproximar adolescentes e jovens da literatura.

Na AEL, esses jovens seguem um cerimonial inspirado nos rituais da Academia Brasileira de Letras: adotam um escritor como patrono, aprofundam-se em usa obra e, em reuniões mais formais, discutem temas literários trajados com "fardões" (obviamente, capas muitos simples). A participação é voluntária, não tem influência nas notas dos alunos participantes.

Dramatização

A AEL Padre Antonio Vieira começou a nascer em 2002, quando Sueli Gonçalves, então a professora de português da escola de mesmo nome, lançou o projeto Poesia - Um atalho para a paz. Sua idéia era usar a dramatização e o debate para tornar mais lúdico o processo de apresentação dos textos poéticos aos jovens.

Percebendo o interesse dos alunos, Sueli lançou um desafio: quem desejasse aprofundar essa relação deveria procurá-la na sala dos professores anunciando a senha: "Me apaixonei", com a qual exprimiria seu amor pelas letras. Esperou três semanas até vir uma aluna mais ousada, com a qual Sueli começou a conversar, fora dos horários de aula, sob um eucalipto plantado na frente da escola. Tal cena motivou outros alunos, e três anos depois o grupo já tinha doze integrantes.

Para dar base mais perene a esse trabalho, em 2005 Sueli fundou a AEL Padre Antonio Vieira, hoje composta por 50 alunos - a pequena Bruna ocupa a cadeira número 4, de Carlos Drummond de Andrade. Sueli teve como inspiração um projeto similar implementado por um de seus professores do ensino médio (na época, ensino colegial).

-- Nosso principal objetivo não é descobrir novos talentos literários, trabalhamos a literatura como veículo de alores e humanismo -- diz Sueli.

Rede literária

Há dois anos Sueli deixou de lecionar português, e agora, na Secretaria Municipal de Educação, dedica-se ao surgimento de novas AELs.

(...)

E as AELs agora espalham-se por outras escolas: até setembro, já havia seis em escolas municipais de São Paulo.

(...)

Sueli mantém um blog, no qual atualiza as informações sobre o projeto, e expõe mais detalhadamente o esforço desses "acadêmicos" que, se não necessariamente vão se tornar autores, podem se tornar leitores mais exigentes.

Fernando Pessoa, para adoçar nossos dias...

Um pouco de Fernando Pessoa para adoçar nosso sábado e todos os dias...


Dorme sobre o meu seio,
Sonhando de sonhar...
No teu olhar eu leio
Um lúbrico vagar.
Dorme no sonho de existir
E na ilusão de amar.


Tudo é nada, e tudo
Um sonho finge ser.
O 'spaço negro é mudo.
Dorme, e, ao adormecer,
Saibas do coração sorrir
Sorrisos de esquecer,
Dorme sobre o meu seio,
Sem mágoa nem amor...


No teu olhar eu leio
O íntimo torpor
De quem conhece o nada-ser
De vida e gozo e dor.


Fonte: Fernando Pessoa: antologia poética. Porto Alegre: Leitura XXI, 2006.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Palavras daqui, significados de lá

O Acordo Ortográfico é uma realidade, mas que trará unificação apenas da grafia. Mas o significado, esse continuará diferente nos diversos países lusófonos.

E para divertir um pouquinho, estou reproduzindo aqui algumas palavras que têm significados completamente diferentes em Portugal.

  • Apelido - No Brasil, é alcunha. Em Portugal, é o sobrenome. "Meu apelido é Almeida".

  • Cápsula - No Brasil, recipiente. Em Portugal, tampa de garrafa.

  • Fato - No Brasil, acontecimento. Em Portugal, o mesmo sentido está em "facto", em paralelo a "fato", costume, roupa em geral. "Comprei um fato novo".

  • Cuecas - No Brasil, roupa íntima masculina. Em Portugal, a peça equivalente feminina (calcinha).

  • Velocípede - No Brasil, veículo de três rodas. Em Portugal, bicicleta.

  • Roupa-velha - Em Portugal, com hífen, refere-se também a uma espécie de ensopado feito com sobras de carne e legumes. "Vamos tomar uma roupa-velha?"

  • Jornaleiro - No Brasil, vendedor de jornais e revistas. Em Portugal, diarista, aquele que recebe por dia trabalhado.

  • Assobio - aqui, som agudo e prolongado produzido com os lábios. Já em Portugal, é o apito. "Você tem um assobio para me emprestar?"

  • Putos - No Brasil, é mais comum ser usado como um palavrão informal. Mas em Portugal indica garotos.

  • Dobrar - No Brasil, é duplicar alguma coisa, curvar (alguém ou algo). Em Portugal, significa dublar, substituir um idioma por outro em trilha sonora de um filme, programa de televisão etc.

Um tradutor das diferenças de lá e de cá:

  • Absorvente - penso higiênico

  • Jantes - rodas

  • Pão bisnaga - cacete

  • Camisinha - durex

  • Criançada - putalhada; canalhada

  • Cego ou deficiente visual - invisual

  • Chiclete - pastilha elástica

  • Comissária de bordo - hospedeira

  • Dentista - estomatologista

  • Descarga da privada - autoclismo

  • Garis - almeidas

  • Fino - chope

  • Impostos - propinas

  • Injeção - pica

  • Isopor - esferovite

  • Mulherengo - fadista

  • Peruca - capachinho

  • Pregador de roupa - mola

  • Privada - sanita

  • Professor particular - explicador

  • Sapatão - fufa

  • Tesão - ponta

  • Varal - estendal

  • Conta - punheta

Fonte: matéria "Nem tão igual assim" de Bel Tosato - Revista Língua Portuguesa - nº 34

Peço a quem encontrar...

Perdemos de tudo nessa vida, não é? Quem já não perdeu um livro, um papel importante, um número de telefone, os documentos? Aqui em casa quando some alguma coisa, ou apelo para São Longuinho ou aviso aos duendes que vivem escondendo minhas coisas, que a brincadeira não tem mais graça. Basta uma voltinha, e lá está ele, o objeto sumido, no lugar onde eu havia cansado de vasculhar.

Bem, mas tem algo que está perdido em minha memória e está me martelando a semana toda. Fala do princípio, o gênese de minha paixão pela Literatura. Foi no colégio, nos textos trabalhados nas aulas de português, que tudo começou. Gostaria de poder dizer que meus primeiros livros foram do Lobato, mas Emília era a realidade no seriado que passava na tevê. Meus primeiros livros, amados e que me deixavam excitada, foram escritos pelo Marcos Rey. Mas foram os textos lidos e analisados em meus livros escolares que me fizeram transbordar o gosto da leitura para o gosto da escrita.

Comecei rabiscando uns poemas, que incentivados por meus amores juvenis, se transformaram em páginas e páginas, todas datilografadas e devidamente arrumadas. Onde estão? Eu mesma joguei fora, quando achei que isso fazia parte do passado; quando me vi tão envolvida com a Informática e com as dezenas de livros técnicos que precisava devorar, que acabei achando que a Literatura estava limitada a um ou outro romance que eu me forçava a ler, para viajar e relaxar.

Lembro que vasculhava o dicionário buscando palavras que funcionassem em minhas rimas. E houve especialmente duas palavras que me marcaram e nunca esqueci o significado, pois absorvi a emoção que elas queriam me passar: uma eu usei em meus poemas; a outra é do texto que falo abaixo. As palavras? Incomensurável (= muito grande) e rota (= esfarrapada).

Pois é. O engraçado é que lembrei essa semana do trecho de um texto (desses de livro de ginásio), acredito que um poema, que mesmo trinta anos depois ainda está vívido em minhas lembranças.

E estou precisando desesperadamente descobrir que texto é esse, pois isso se tornou uma obsessão. Quem é o autor? Qual o título? Voltar a ler na íntegra esse texto que me marcou tanto.

Se alguém souber sobre ele, peço que publique aqui pistas que me levem a tirar a poeira de minhas lembranças. Recompensa? Minha eterna gratidão.

O trecho que nunca me esqueci está aqui:
“aquela boneca velha, toda rota, quase nua, por uma menina rica foi abandonada na rua”.

Meu conto em 7º lugar no Prêmio Cataratas

Uau! três vezes, ou seria melhor, sete vezes.

Saiu o resultado do Prêmio Cataratas 2008. O resultado pode ser conferido no meu novo blog que lancei este mês só para centralizar os concursos literários e seus resultados. O novo blog é o Ficção de Gaveta, para incentivar todos aqueles que estão com a gaveta transbordando.

Mais por que o Uau!? É simples, meu nomezinho, ou melhor, meu querido conto "O envelope azul" está entre os premiados. Fiquei em 7º lugar. Podem dizer assim: poxa, mas tudo isso por um 7º lugar. Não, tudo isso por mais um prêmio, por um 7º lugar entre tantos contos inscritos, e que devo estar no caminho certo. E o velho sonho de menina vai se tornar realidade depois de 21 anos em outros caminhos não-literários.

O resultado do Prêmio Cataratas pode ser conferido no link do Ficção de Gaveta.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Guia prático da Nova Ortografia

Douglas Tufano, professor e autor de livros didáticos de língua portuguesa, preparou um guia com as novas regras da nova ortografia brasileira.

Esse guia está disponível on-line no endereço: http://michaelis.uol.com.br/novaortografia.html.

O que tenho lido...

Há uns três meses talvez, um colega de trabalho me pediu a indicação de um livro. Queria presentear sua mãe. Na época, lhe indiquei Meus queridos estranhos da Livia Garcia-Roza. Um romance de intensa sensibilidade. Os textos que leio não saem incólumes, iguais a mim. Frases marcadas, assinaladas, apontadas com setinhas. E quando me envolvem, quase sempre tem um adjetivo cheio de pompa para me reforçar a lembrança daquela impressão. Nesse eu escrevi "maravilhoso!".

Há algumas semanas, uma amiga que é minha leitora fiel, me questionou o que eu estava lendo. Não só revelei o conteúdo de minha bolsa, como emprestei-lhe dois livros que eu havia acabado de ler.

Ontem terminei mais uma leitura. E hoje já comecei uma nova. E conforme avançava, feliz pelas linhas que me tocavam, tive vontade de dividir minha lista com vocês.

Atualmente estou lendo Conversas com Cortázar de Ernesto González Bermejo (Jorge Zahar Editor). A orelha nos pesca em poucas frases:

"As conversas de um jornalista de primeira linha com um escritor de primeiro quilate podem resultar em duas coisas: um sutil confronto de vaidades, ou um registro denso, esclarecedor, enriquecedor e permanente.
O repórter uruguaio Ernesto González Bermejo pertencia à melhor estirpe do jornalismo de seu país. O argentino Julio Cortázar foi, sem dúvida, não apenas um dos escritores de maior calibre da segunda metade do século XX, como um dos contistas mais notáveis de todos os tempos.
Um belo dia, em 1977, Ernesto resolveu reunir num livro algumas de suas muitas conversas formais com Julio. Desde então, tornou-se obra de consulta obrigatória não apenas para os interessados em Cortázar, mas para quem quiser mergulhar nos desvãos da carpintaria de um escritor."

E essa carpintaria que vai se desvendando em cada resposta de Cortázar, vai também nos acorrentando a esse escritor fantástico, de extrema competência e brincalhão. Em fevereiro próximo, completará 25 anos que Cortázar nos deixou, mas seus textos são tão atuais e tão fortes que parece que ele ainda nos orienta.

Uma de suas brincadeiras ao falar das leis e regras do romance:
"O romance não tem leis, a não ser a de impedir que a lei da gravidade entre em ação e o livro caia das mãos do leitor."

Um pouco de Cortázar por Cortázar:
"Cheguei à prosa com dificuldade. Aos oito anos, eu já escrevia poemas e, como sempre obedeci aos ritmos, ao som ritmado das palavras e das coisas, esses poemas, de conteúdo espantoso, inteiramente ingênuos, inocentes e desimportantes, eram perfeitamente metrificados e perfeitamente ritmados. Sem saber que um hendecassílabo era um verso de onze sílabas, escrevia sonetos em hendecassílabos, absolutamente infalíveis como ritmo e rima."

Não consigo ler um livro apenas. Sempre tenho um romance ou livro de contos, acompanhado de um livro teórico. Além dos livros que devoro do início ao fim, sempre tenho outros que leio um pouquinho a cada semana.

Atualmente:

- Os cem melhores contos brasileiros do século, organização de Ítalo Moriconi (Objetiva)

- Dublinenses, James Joyce (Civilização Brasileira)

- Obras completas III, Jorge Luis Borges (Editora Globo)

E para completar, os últimos livros que li, em ordem decrescente:

- Flores azuis, Carola Saavedra (Companhia das Letras)

- Linha de sombra, Lúcia Bettencourt (Record)

- Reparação, Ian McEwan (Companhia das Letras)

- Formas breves, Ricardo Piglia (Companhia das Letras)

- Milamor, Livia Garcia-Roza (Record)


sábado, 8 de novembro de 2008

Encontro com Ana Maria Machado na ABL



A Academia Brasileira de Letras está promovendo a série "Encontro com o autor".
E para começar muito bem, o primeiro encontro será com Ana Maria Machado.
Acontecerá no próximo dia 13 de novembro, quinta-feira, às 17h30min, no Teatro R. Magalhães Jr., na Av. Presidente Wilson, 203.
Melhor do que isso: a entrada é franca e aberta ao público.
O encontro terá a moderação da Beatriz Resende.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Oficinas literárias - pequenas e grandes dicas

Tenho feito algumas oficinas e workshops na Estação das Letras. Isso tem me dado o prazer de ouvir dicas maravilhosas vindas de grandes mestres. Sempre que a ampulheta resolve me dar uma trégua, publico aqui algumas dicas dessas oficinas.

Já tenho algumas da oficina que estou fazendo com o Marcelo Moutinho, mas a publicação vou deixar para quando terminar o curso.

Enquanto isso, aproveito para divulgar alguns artigos do Digestivo Cultural, que falam de oficinas feitas na Academia Internacional de Cinema, em São Paulo. Dicas valiosas.
Para complementar, me lembrei dos decálogos ao jovem escritor que li há alguns meses no Jornal Rascunho. São escritores consagrados falando àqueles que estão no início do caminho.

E para vocês curtirem, segue abaixo a lista dos links, direto à fonte de informações preciosas.

* Artigo "Oficina literária com Michel Laub" de Débora Costa e Silva. (Digestivo Cultural, 06/11/2008)

* Artigo "A preparação de um romance" de Débora Costa e Silva. (Digestivo Cultural, 22/05/2008)

* Post "Biografias literárias" de Débora Costa e Silva. (Digestivo Cultural, 25/10/2008)

* Post "Oficina de conto na AIC" de Débora Costa e Silva (Digestivo Cultural, 21/07/2008)

>> Sobre esse artigo, eu já havia publicado um resumo aqui no blog.

* Post aqui no Canastra, sobre o Workshop com o Moacyr Scliar.

* Decálogo ao Jovem Escritor (vários escritores, Jornal Rascunho)

* Decálogo do Resenhista (por Nelson de Oliveira, Jornal Rascunho)

Artigo sobre novo Acordo


Li hoje um artigo do Marcelo Spalding no portal http://www.artistasgauchos.com.br/. Achei muito bom. Recomendo.
Nos faz enxergar como será difícil escrever algumas palavras. Não por ser difícil aprender as novas regras, mas pelo fato de nosso cérebro lutar com a ideia de que algumas palavras soam estranhas sem acentos, como é o caso da própria ideia.

Estou tentando me policiar para daqui para frente começar a escrever com base nas novas regras. Mas tenho que confessar: está muito difícil.

Por fim, como diz o Marcelo no artigo: "para para pensar", todos aqui, em Lisboa ou em Luanda vão escrever assim, e com o tempo nos acostumamos.

Agora é só curtir o artigo.

Um pouco sobre ele:
"Marcelo Spalding é formado em jornalismo e mestrando em Literatura Brasileira na UFRGS, vice-presidente da Associação Gaúcha de Escritores, editor do website Veredas, autor dos livros 'As cinco pontas de uma estrela', 'Vencer em Ilhas Tortas' e 'Crianças do Asfalto', membro do grupo Casa Verde, colunista do Digestivo Cultural e professor da Oficina de Criação Literária da Uniritter."

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Felipe Massa - a volta de um sonho

Domingo eu fiquei frustrada. Cheguei a pensar em escrever algo sobre essa vitória com gosto de derrota. Desisti. Hoje lendo o blog da Lucia Bettencourt e do Marcelo Moutinho, me bateu nostalgia. Tanto que meu comentário para o texto do Marcelo foi quase uma carta.

Mostrei a uma amiga, e ela me disse para eu publicar aqui. Hesitei, mas decidi colocar.

Para mim a vitória está só começando.

Então, meus parabéns, Massa! Com gratidão de uma torcedora que vai voltar a vestir a camisa.

Abaixo o comentário que deixei no blog do Marcelo:

Domingo para mim, aos dezesseis anos, era respirar as corridas de F-1. Assisti a cada vitória emocionante de Senna, a cada disputa de bastidores entre ele e Prost. À briga boba entre ele e o Piquet. Odiei quando o alemão veio roubar a magia da nossa festa. Nada me tirava da frente da tevê. Minha mãe me questionava se eu ia deixar meus filhos com fome, para assistir às corridas. Não deu para saber. No ano em que me casei, chorei como se tivesse perdido um ente querido, ao ver aquele carro batido no dia 1º de maio de 1994. Desde então, me senti órfã do automobilismo (se isso é possível!). Não voltei a assistir as corridas. Até este ano, quando senti um bichinho antigo de torcedora me cutucar. Ontem torci, muito. Por trinta segundos, berrei para que o Velter disparasse na frente. Ele atendeu meus pedidos. Pena que esqueci de pedir para que um Glock não estragasse o meio minuto de glória.

Não deu. Este ano. Mas a porta se abriu. A vitória realmente foi do Massa, sem tirar o mérito do Hamilton. Triste é pensar que a tecnologia nos roubou essa alegria. Mas não importa. Ano que vem estaremos novamente na disputa. Com um novo ídolo, que por coincidência ou não, também tem as letras repetidas em seu nome (Senna x Massa). E eu estarei novamente diante da tevê, e para que minha mãe não tenha razão, vou almoçar na casa dela. Assim a comida das crianças estará garantida.

sábado, 1 de novembro de 2008

ABL lança seu Dicionário Escolar da Língua Portuguesa


A Academia Brasileira de Letras lançou no último dia 30 de outubro seu "Dicionário Escolar da Língua Portuguesa". A obra que já adota a nova ortografia, traz exemplos para ilustrar grande parte das acepções.


O dicionário com 1315 páginas possui 33 mil verbetes, textos sobre a história da ABL, um histórico da Língua Portuguesa e da formação do léxico português, além de orientação quanto à nova ortografia, e um suplemento sobre o Acordo Ortográfico.

Segundo o Acadêmico Evanildo Bechara, o trabalho teve início em fevereiro de 2005, e foi encerrado em outubro de 2007, com a participação de cinco lexicógrafos doutores em Letras, Literatura, Lingüística e Filologia.

Está publicado pela Companhia Editora Nacional e já pode ser encontrado nas livrarias. No site da Saraiva ele é oferecido por R$ 26,30, enquanto que no da Livraria Cultura sai por R$ 32,90.


O menino que vendia palavras é o grande vencedor do Jabuti



Já se esperava o quinto prêmio para O filho eterno, mas foi O menino que vendia palavras, de Ignácio de Loyola Brandão, que conquistou nesta sexta-feira o Jabuti de Livro do Ano de ficção. O autor, além do troféu, levou também um prêmio de R$ 30 mil.



A obra havia ficado em segundo lugar na categoria infantil, atrás de Sei por ouvir dizer de Bartolomeu Campos de Queirós.

Na categoria de Livro do Ano de Não-Ficção, o vencedor foi Laurentino Gomes, com a obra "1808".

Um pouco sobre a história vencedora:
"O protagonista deste livro é um menino que tem muito orgulho de seu pai, um homem culto, inteligente e que conhece as palavras como ninguém. Se os amigos do menino querem saber o significado de alguma palavra, é o pai dele que sempre procuram. Quer saber o que é epitélio? Alforje? Lunático? Ele sempre tem uma resposta.O menino logo percebe a curiosidade dos amigos e tem uma idéia bastante astuta: e se começasse a negociar o significado das palavras? Gorgolão? Vale uma fotografia de um navio de guerra. Enfado? Um sorvete de picolé, trazido pelo dono da sorveteria. Pantomima? Um chiclete. E assim começa seu "negocinho" no bairro, escondido do pai, é claro. O menino, sempre com um humor leve e envolvente, descobre como é importante conhecer as palavras, pois assim ele vai saber conversar, orientar as pessoas, explicar suas idéias e sentimentos, desempenhar melhor suas tarefas, progredir na vida, entender todas as histórias que lê e até mesmo convencer uma menina a namorá-lo! E, assim, vai aprendendo essas e outras lições valiosas e percebendo com seu pai o quanto a leitura é necessária, pois quanto mais palavras você conhece e usa, mais fácil e interessante fica a sua vida."


Fonte: Blog do Prosa on-line

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

"O filho eterno" vence o Portugal Telecom

Como era de se esperar, e com o devido merecimento, O filho eterno de Cristovão Tezza foi o grande vencedor do Prêmio Portugal Telecom, recebendo o prêmio de R$ 100 mil. Em segundo lugar empataram Antonio de Beatriz Bracher e Eu hei-de amar uma pedra do escritor português Antonio Lobo Antunes, recebendo cada um R$ 35 mil. Em terceiro lugar, O sol se põe em São Paulo, de Bernardo Carvalho, com o prêmio de R$ 10 mil.

Tem sido realmente o ano de Tezza, com seu novo romance: O filho eterno recebeu quatro prêmios e ainda concorre ao Prêmio São Paulo e à categoria Livro do Ano, no Jabuti, esse já premiado como o melhor romance. O livro, autobiográfico, foi o mais difícil que ele escreveu, declarou o escritor.

A premiação ocorreu ontem na Casa Fasano em São Paulo, contando com a presença de Fernanda Montenegro, pela primeira vez em público desde a morte de Fernando Torres. A atriz dramatizou três poemas de Fernando Pessoa, um poema de Carlos Drummond e duas crônicas de Clarice Lispector. Foi de suas mãos que Tezza recebeu seu troféu.

Na reportagem completa do Globo on-line é possível conferir os planos de Fernanda para o teatro em 2009, com uma peça sobre Simone de Beavouir e Jean-Paul Sartre.

Fonte:
Globo on-line

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Dia de São Judas Tadeu

Hoje é dia de São Judas Tadeu, de quem sou devota, e foi um post da escritora Lúcia Bettencourt, que me chamou a atenção para o débito que estou com ele.

Por isso, meu agradecimento público, em forma de divulgação de sua história.

"São Judas Tadeu é, sem dúvida, hoje, um dos santos mais populares. No entanto, embora figurasse entre os apóstolos de Cristo, a devoção por ele se inicia tardiamente, uma vez que foi durante muito tempo "deixado em segundo plano" em função de seu nome, que se confundia com o do "apóstolo traidor", Judas Iscariotes.

São Judas era primo de Jesus, pois era filho de Alfeu, também chamado de Cléofas, irmão de São José. Ao que se sabe, seu pai era um daqueles discípulos de Emaús, a quem Jesus apareceu naquela tarde do dia da Ressurreição. Quanto à sua mãe, ela era uma das mulheres que se encontravam ao pé da Cruz de Jesus, junto com Maria Santíssima.

São Judas - aquele mesmo apóstolo que, na Última Ceia, pergunta a Jesus por que Ele havia se manifestado a eles e não ao mundo - demonstrou sempre um grande ardor pela causa do Reino e, então, o desejo de que o Evangelho se tornasse conhecido de todos. Era o chamado à missão, típico do cristão, daquele que ama a Cristo e guarda a sua Palavra. Ele o amava, e precisava garantir que todos o fizessem também, para que fosse possível se realizar aquela resposta que Jesus lhe havia dado naquela Ceia: "se alguém me ama guardará a minha palavra e meu pai o amará, e nós viremos a ele e nele faremos nossa morada" (Jo 14,22)."
(Fonte: Paróquia de São Judas Tadeu - Niterói/RJ)

E pedindo um pouco mais de paz a todos nós, lembro que dia 04 de outubro foi o dia de São Francisco de Assis.
E para acarinharmos nossos corações, reproduzo a oração da paz, que é tão linda quanto, ao ser cantada:

Senhor, fazei de mim
um instrumento da vossa Paz.

Onde houver ódio, que eu leve o Amor.
Onde houver ofensa, que eu leve o Perdão.
Onde houver discórdia, que eu leve a União.
Onde houver dúvida, que eu leve a Fé.

Onde houver erro, que eu leve a Verdade.
Onde houver desespero, que eu leve a Esperança.
Onde houver tristeza, que eu leve a Alegria.
Onde houver trevas, que eu leve a Luz.

Ó Divino Mestre,
fazei que eu procure mais
consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.

Pois é dando que se recebe,
é perdoando que e é perdoado,
e é morrendo que se ressuscita
para a Vida eterna.

sábado, 25 de outubro de 2008

Conto inédito de Ana Letícia Leal

Na quarta-feira sairá publicado no blog do Prosa & Verso um conto inédito de Ana Letícia Leal.

Ela é autora de "Meninas Inventadas" (Bom Texto, 2006), e foi uma das finalistas do primeiro concurso Contos do Rio, em 2004, com o conto Sem minha filha.

A Ana é jornalista, mestre em Comunicação Social, doutoranda em Letras e professora da Estação das Letras.

Vale conferir!