quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Feliz Natal a todos

Essa é uma época mágica, de esperanças, de bons sentimentos, de desejos puros e especiais.


E é isso que venho desejar a vocês: um Natal cheio de paz, amor e fraternidade. Um Natal de esperanças de dias melhores, de luzes que iluminem seus caminhos, de carinhos que aqueçam seus corações.

E como presente, deixo um trecho de um poema de Cora Coralina.

Oração de Aninha
(Do livro Vintém de Cobre, meias confissões de Aninha)

Pela manhã, abre a janela de tua casa
e faze a prece da gratidão.
Levanta teu coração para o Alto.
É a hora solene da oração.
Procura reter contigo
o amanhecer de um novo dia
antes que a rotina da vida
disperse o teu recolhimento
Segue esta pequena jaculatória.

Senhor, sois a luz da minha vida.
Que eu sinta a vossa presença
na água da minha sede,
e na paz da minha casa.
“Quem chama por Deus
não cansa nunca”
e Ele se fará presente.
Muito pedimos e pouco agradecemos.
Sentimento raro de se encontrar no coração
humano: Gratidão.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

ABL está de mãos dadas com a modernidade

Marcos Vilaça tomou posse como o novo presidente da Academia Brasileira de Letras, posto que ele já ocupou no biênio 2006/2007.

A Academia vem fazendo um ótimo trabalho nos últimos anos, aproximando a instituição do público. Além disso, Vilaça aposta na modernidade para encurtar mais ainda esse diálogo. E seguindo o mercado, a ABL se lança no Twitter (http://twitter.com/abletras).

Leia abaixo a entrevista concedida pelo novo presidente, que foi publicada no site da ABL.

Em sua última gestão como presidente da Casa de Machado de Assis, o senhor focou na aproximação da ABL com a sociedade através do uso de diversas tecnologias. Há alguma chance disso se repetir?


Há todas as chances. A ABL não pode e não deve ficar parada no tempo. Hoje vejo meus netos usando o Orkut, o Twitter, e vejo o quão rápida está a comunicação, a interatividade para esses jovens. Definitivamente nós temos de entrar nesse meio.

Hoje não só pessoas usam o twitter, mas empresas testam sua popularidade e lançam novidades. Como o senhor vê essa integração da ABL com o twitter?

Se eu tuíto, tu tuítas e eles tuítam, a Academia também tuíta. O Supremo Tribunal Federal já está nessa, sites de venda on-line já lançam promoções exclusivas, personalidades de todos os meios já criaram uma espécie de “linha direta” com os fãs. Faltava a ABL. Digo faltava, pois não falta mais. A Academia precisa manter permanentemente uma linha direta com os seus seguidores.

Os jovens passam muito tempo no que chamamos de mídias sociais. Este é um filão em que a ABL busca entrar?

Foi como eu disse no começo: meus netos não saem do Orkut, do MSN, do Twitter... Se é lá que a juventude está, é lá que precisamos ir. Se num primeiro momento os moços não vêm à Academia, então a Academia precisa ir até eles... Para muitos deles, até ser apresentada. São horas que eles passam a fio teclando – como dizem no linguajar próprio.

A internet seria, então, considerada mais uma ferramenta de incentivo à leitura e à produção textual?

Mas é claro! Há quem diga que é uma ferramenta que faz justamente o contrário, que atrofia. Mas eu não vejo assim. Olhe, se uma pessoa consegue passar toda uma ideia em 140 caracteres, ela é atrofiada ou possui um bom poder de síntese? Então pronto! Não adiantar vir com a besteira que tudo na internet não presta. Isso é mentira! Tem muita coisa boa sim, mas é preciso selecionar. Da mesma forma há muita coisa ruim encadernada e vendida em livrarias. É preciso ter critério.

Para concluir, podemos esperar novidades para o Portal da ABL?

Como nesse mundo on-line tudo acontece tão rápido, o Twitter da ABL já não é mais novidade, mesmo recém lançado. Mas haverá muita coisa nova sim. O site que estamos preparando para o Centenário de Morte de Joaquim Nabuco é uma delas. Também já está na hora de mudarmos um pouco a “cara” do Portal. Volta o VOLP e adicionamos mais interação com os internautas e assim já teremos dado mais um passo adiante.

17/12/2009

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Revista Ficções

A Revista Ficções é editada pela 7 Letras desde 1996, sempre apresentando ao mercado novos autores.

Esse ano, numa nova etapa, com a parceria da Estação das Letras e deCriação, a Revista está aceitando contos diretamente em seu site. Os textos selecionados pelo Conselho da Revista são colocados para comentários dos leitores. Os contos mais bem recebidos ganham versão impressa.

A edição 18 já está à venda, mas pode ser degustada no site - http://www.revistaficcoes.com.br/.

Essa aproximação entre autor, texto e leitor é a cara da literatura contemporânea. Deem uma passadinha por lá e prestigiem.

Agora, um segredinho: um conto meu é candidato à próxima edição. Passando por lá, não deixem de ler "A garrafa". E gostando é só deixar seus comentários. A autora aqui agradece. :)

sábado, 12 de dezembro de 2009

Prêmio Biblioteca Nacional

A Biblioteca Nacional divulgou os vencedores de sua premiação anual. São 8 categorias. Veja os vencedores de algumas delas.

* Categoria Poesia:
Comissão julgadora: Eucanaã Ferraz, Francisco de Castro Mucci e Moacir Amâncio

Vencedor: Marina Colasanti, com a obra Passageira em trânsito, publicada pela Editora Record.
2º lugar: Reynaldo Damazio, com a obra Horas perplexas, publicada pela Editora 34.
3º lugar: Rodrigo Petronio, com a obra Venho de um país selvagem, publicada pela Editora Top Books.

* Categoria Romance:
Comissão julgadora: José Guimarães Castello Branco, Beatriz Vieira Resende e Flávio Martins Carneiro

Vencedor: Raimundo Carrero, com a obra A minha alma é irmã de Deus, publicada pela Editora Record.
2º lugar: Rodrigo Lacerda, com a obra Outra vida, publicada pela Editora Alfaguara.
3º lugar: Bernardo Ajzemberg, com a obra Olhos secos, publicada pela Editora Rocco.

* Categoria Conto:
Comissão julgadora: Mário Bezerra Pontes, Moacyr Jaime Scliar e Mànya Dias Millen

Vencedor: Beatriz Bracher, com a obra Meu amor, publicada pela Editora 34.
2º lugar: José Rezende Jr., com a obra Eu perguntei pro velho se ele queria morrer, publicada pela Editora 7 Letras.
3º lugar: Antônio Carlos Viana, com a obra Cine Privê, publicada pela Companhia das Letras.

* Categoria Literatura Infantil e Juvenil
Comissão julgadora: Neide Medeiros Santos, Mariza de Almeida Borba e Elizabeth d´Angelo Serra

Vencedor: Bartolomeu Campos de Queirós com a obra Tempo de Voo, publicada pela Editora Comboio de Corda.
2º lugar: Ronaldo Simões Lopes com a obra Bichos publicada pela Editora Aletria.
3º lugar: Graziela Bozzano Hetzel com a obra O Lobo publicada pela Editora Manati.

Para ver os vencedores das outras categorias, acessem: http://www.jusbrasil.com.br/diarios/1561665/dou-secao-1-11-12-2009-pg-35

Atualização: Um outro link para conferir a lista de inscritos e premiados.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Campanhas pró-leitura

Para incentivar a leitura, basta arregaçar um pouco as mangas e querer. Por exemplo, o que vocês vão presentear neste Natal? Por que não um livro? E de preferência nacional, viu?

Mas existem outras iniciativas tão importantes quanto que me tocam pra valer.

Essa eu li hoje na Revista Brasil que lê, na coluna do Galeno Amorim. Galeno que também é um grande incentivador da literatura, merece ser aplaudido de pé pelo trabalho que vem fazendo pela literatura.

Leia a matéria:

Troque lixo por... livros!

Cada 20 fracos usados de xampu, garrafas e outros objetos prontos para o descarte no lixão por um livro. A campanha inovadora é da Livrarias Atenas, de Imperatriz (MA), que, em parceria com a Universidade Federal do Maranhão, promete entregar 1.000 livros e tirar da praça 20 mil recipientes plásticos que estão poluindo a cidade. A ideia é do livreiro José Arteiro Muniz, um apaixonado tanto por livros quanto pela natureza. E ele não para: agora mesmo anda tentando os vereadores da cidade a aprovar uma lei que obriga as lojas a trocar sacolas de plástico por outras de papelão. O negócio do livro vai, enfim, começando a descobrir a responsabilidade social empresarial.

Aplaudo também as iniciativas do governo em não permitir novas escolas sem biblioteca. E, principalmente, a ideia de abater compra de livros no IR. Nossa, isso seria o máximo. Leia as matérias também divulgadas pelo Galeno Amorim:

Fica proibido abrir escola sem biblioteca

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou a redação final do projeto de lei originalmente proposto pela então deputada gaúcha Esther Grossi (PT) para que todas as escolas públicas e privadas sejam obrigadas a ter bibliotecas escolares. Como se sabe, o Brasil possui 53 mil escolas com bibliotecas. Porém, nada menos do que outras 113 mil não têm esse serviço público tão essencial à educação quanto à cidadania.Se aprovada, a nova lei dará cinco anos de prazo para os estabelecimentos se adequarem.

Livros deduzidos no IR?

Já tem parecer favorável na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados o projeto do então deputado federal Roberto Saturnino (PT-RJ) que quer permitir que livros comprados possam ser abatidos do Imposto de Renda. O parecer é do deputado André Vargas (PT-PR). A proposta já teve o aval da Comissão de Educação e Cultura.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Vitrina das premiações

Não tem jeito, são centenas de lançamentos por mês, de nacionais e estrangeiros. É humanamente impossível conhecermos todos os livros, quiçá saber todos que saíram. Por isso, acho que os prêmios literários têm uma boa função, a de dar visibilidade aos autores.

Claro que entre os premiados, muitos são nossos velhos conhecidos. Mas o que acontece com frequência é despontar nomes que não conhecíamos. Podemos até não concordar com alguns resultados ou achar que as escolhas não condizem com os melhores livros. Mas é um caminho.

Assim, aproveito para divulgar mais alguns prêmios:

1) Copa Brasileira de Literatura

Temos aqui uma boa oportunidade de conhecer algumas obras e, principalmente, o que algumas pessoas acham delas. A Copa já está nas quartas-de-final, faltando apenas um jogo. Dê um pulinho lá. Confira como foi cada partida, o vencedor, e os argumentos dos jurados para seus votos. O endereço da Copa é: http://copadeliteratura.com/.

2) Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA)

A APCA na noite do dia 07/12 fez a sua escolha dos melhores de 2009. No júri: Ubiratan Brasil, Dirce Loremier, Amilton Pinheiro e Sérgio Miguez.

Melhor romance:
Rei do cheiro, João Silvério Trevisan (Record, 320 pp., R$ 47,90)

Melhor conto:
Cine Privê, Antonio Carlos Viana (Companhia, 128 pp., R$ 32,50)

Melhor poesia:
Entremilênios, de Haroldo de Campos (Perspectiva, 254 pp., R$ 55)

Melhor biografia:
Cabeza de Vaca, de Paulo Markum (Companhia das Letras, 288 pp., R$ 42)

Melhor tradução:
Poemas Estalactites, de August Stramm em tradução de Augusto de Campos (Perspectiva, 91 pp., R$ 25)

Melhor infantil/juvenil:
Pivetim, de Délcio Teobaldo (SM, 89 pp., R$ 27)

Melhor ensaio/crítica:
Lições de Kafka, de Modesto Carone (Companhia das Letras, 144 pp., R$ 29,50).

3) 16ª edição do Prêmio Açorianos de Literatura Adulta e Infantil

Promovido pela Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre, a entrega do 16º Prêmio Açorianos de Literatura será realizada no dia 14 de dezembro, às 20 h, no Teatro Renascença (Porto Alegre/RS). A comemoração conhecida como “A Noite do Livro”, é dedicada aos melhores da produção literária e livreira de Porto Alegre.

Veja a relação de finalistas de 2009:

CATEGORIAS NÃO-LITERÁRIAS: CAPA
O muro, de Christina Dias, capa de Elma, Editora Meia Lua;
Raiva nos raios de sol, de Fernando Mantelli, capa de Samir Machado de Machado, Não Editora;
Theatro São Pedro – 150 anos, de Gunter Axt (organizador), capa de Flávio Wild, Editora Nova Prova;

PROJETO GRÁFICO
As guerras dos gaúchos – História dos conflitos do Rio Grande do Sul, de Gunter Axt (coordenador), projeto gráfico de Marília Ryff-Moreira Vianna, Editora Nova Prova;
De carona, com Nitro, de Luis Dill, projeto gráfico de Joãocaré e Juliana Dischke, Artes e Ofícios Editora;
Ficção de polpa Vol. 3, de Samir Machado de Machado, projeto gráfico de Samir Machado de Machado, Não Editora;

CATEGORIAS LITERÁRIAS: CONTO
A frase do Doutor Raimundo, de Antônio C. de A. Ribeiro, Orlando Fonseca, Tânia Lopes, Athos M. Cunha (organizador), Editora Movimento;
Grades do céu, de Susana Vernieri, Editora Libretos;
Trocando em miúdos, de Luiz Paulo Faccioli, Editora Record;

CRÔNICA
100 lições para viver melhor, de Cláudio Moreno, L±
234 posições pós-modernas, de Ildo Carbonera, EST Edições;
Doidas & santas, de Martha Medeiros, L±

ENSAIOS
Fronteiras e confrontos, de Donaldo Schüler, Editora Movimento;
Moinhos de Vento – Histórias de um bairro de Porto Alegre, de Carlos Augusto Bissón, Editora da Cidade;
Por que ler Dante, de Eduardo Sterzi, Editora Globo;

ESPECIAL
As guerras dos gaúchos – História dos conflitos do Rio Grande do Sul, de Gunter Axt (coordenador), Editora Nova Prova;
Manual de Anti-Ajuda, de Dois Santos dos Santos, Editora Nova Roma;
Operação condor: O sequestro dos uruguaios, de Luiz Cláudio Cunha, L&PM Editores;

INFANTIL
Doido para voar, de Hermes Bernardi Jr., Artes e Ofícios Editora;
Histórias bem... (coleção), de Caio Riter e Márcia Leite, Editora Escala Educacional;
Transpoemas, de Ricardo Silvestrin, Editora Cosac Naify;

INFANTO-JUVENIL
De carona com Nitro, de Luis Dill, Artes e Ofícios Editora Ltda;
Meu pai não mora mais aqui, de Caio Riter, Editora Biruta;
Todos contra Dante, de Luis Dill, Editora Companhia das Letras;

NARRATIVA LONGA
A parede no escuro, de Altair Martins, Editora Record;
O professor de botânica, de Samir Machado de Machado, Não Editora;
Uma leve simetria, de Rafael Bán Jacobsen, Não Editora;

POESIA
In Verso, de Tania Alegria, RIE – Redactors i Editors;
Monolítico (Memória que não morre), de Luiz de Miranda, Design Editora;
Prosa do mar, de Marlon de Almeida, Editora 7 Letras.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Os meus 15 livros de 2009

Embalada pelos amigos, decidi fazer a minha lista dos 10 mais lidos de 2009.

Como sou defensora de carteirinha da literatura nacional, minha lista será separada e mesclará todos os gêneros. E como li muito mais nacional (graças ao Sobrecapa) do que estrangeiro, limitarei os de lá a uma lista dos 5 mais.

Importante frisar que não temos aqui apenas os livros publicados em 2009, mas alguns que foram publicados em 2008, que só tive oportunidade de ler esse ano. No caso dos estrangeiros, pode ter sido publicado antes de 2008.

Claro que li muitos outros livros bons que não estão nessa lista, mas não dava para relacionar tudo, pois ficaria com cara de inventário. :)

Para que isso não aconteça ano que vem, tentarei publicar, a partir de agora, pequenas resenhas de tudo que estiver lendo (ou quase tudo). Assim, vocês poderão acompanhar e já curtir durante o ano. E nos próximos posts já aparecerão: "O português que nos pariu", de Angela Dutra de Menezes; "A tecelã de sonhos", também da querida Angela e "O véu", de Luis Eduardo Matta. Os dois primeiros ainda estou lendo, mas já posso afirmar que são ótimos, divertidíssimos. Angela tem um tom perfeito para o humor. O romance do Luis Matta já li um capítulo, o que foi suficiente para me enlaçar. Aliás, literatura boa é assim, basta um parágrafo para nos agarrar. :)

Então vamos a minha lista de escolhidos.
Obs: a ordenação obedece à ordem de leitura.

Literatura Nacional:
  • O fazedor de velhos, de Rodrigo Lacerda. Literatura Juvenil.
  • Era outra vez, de Livia Garcia-Roza. Contos.
  • Afrodite in verso, de Paula Cajaty. Poesia.
  • Outra vida, de Rodrigo Lacerda. Romance.
  • Hotel Novo Mundo, de Ivana Arruda Leite. Romance.
  • Mundos de Eufrásia, de Claudia Lage. Romance.
  • A liberdade é amarela e conversível, de André Giusti. Contos.
  • A História de Clarice, de Anna Claudia Ramos. Juvenil.
  • Se eu fechar os olhos agora, de Edney Silvestre. Romance.
  • Céu de Origamis, de Luiz Alfredo Garcia-Roza. Romance Policial.

Literatura Estrangeira

  • A Cidade e a Infância, de José Luandino Vieira. Contos
  • Os da minha rua, de Ondkaki. Contos
  • Reparação, de Ian Mcewan. Romance.
  • Homem lento, de J. M. Coetzee. Romance.
  • O Animal Agonizante, de Philip Roth. Romance.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Luiz Alfredo Garcia-Roza em São Paulo

Foi ótimo o debate entre Luiz Alfredo Garcia-Roza e Flávio Carneiro, ontem, na Livraria Travessa do Leblon. Então, para quem estiver em São Paulo, não percam mais uma chance de ouvir Luiz Alfredo.

Ele estará hoje no programa Sempre um Papo, no SESC da Vila Mariana, às 20h. A entrada é gratuita.

Cliquem na imagem para conferir os detalhes.



terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Prosa nas Livrarias com Luiz Alfredo Garcia-Roza

Há muito tempo eu não lia um romance policial, não porque não goste, pelo contrário, adoro, principalmente se o texto te envolve, te fisga, vai te levando parágrafo a parágrafo, página a página, capítulo a capítulo e te deixa triste de ter que parar para tocar a vida, ansioso para ter o tempinho de recomeçar.

E esse livro que estou lendo agora é assim...

Já houve época em minha vida que comprava um romance, policial ou não, e num belo domingo não conseguia levantar do sofá enquanto não terminasse. E olha que já estava casada. Meu marido é um santo, sei disso. Hoje não posso me dar a esse luxo, pois o excesso de atividades toma todos os sete dias da semana. Mas ainda sofro dessa ânsia de continuar lendo, de saber mais, de se ver envolvida.

E foi essa grata satisfação que tive com a leitura de Céu de origamis, novo romance de Luiz Alfredo Garcia-Roza, em que ele nos traz mais uma vez o detetive Espinosa. Não conhecem? Então não sabem o que estão perdendo. Ainda não terminei o livro, mas fico esperando a próxima janela do meu tempo para continuar a história. Ontem foi um dia em que nada me abalou em fila de banco, pois estava em companhia dessa maravilhosa história.

Para quem está no Rio, tem hoje uma bela oportunidade de conhecer o trabalho de Luiz Alfredo, comprar o livro e ainda ganhar um autógrafo.

Acontece a partir das 19h, na Livraria Travessa do Shopping Leblon, o Prosa nas Livrarias, realizado pelo Prosa & Verso (O Globo) em parceria com livrarias e editoras. O debate é entre Luiz Alfredo e Flávio Carneiro.

Não percam!

E para quem estiver em São Paulo, amanhã divulgo uma nova oportunidade com Luiz Alfredo.

Para quem estiver fora do eixo Rio-São Paulo, não tem problema. É só comprar o livro, que irá ouvir o autor da melhor forma que ele pode se expressar: com uma narrativa de primeira qualidade.

Leiam entrevista que Luiz Alfredo concedeu ao Prosa & Verso de sábado.

domingo, 29 de novembro de 2009

Primavera dos Livros - último dia

Para quem estiver no Rio, aproveite que hoje é o último dia da Primavera dos Livros.

Além dos estandes que estão oferecendo livros com descontos de 40%, tem ótimas palestras.

Veja a programação de hoje:

10h - 11h30 - domingo
Biógrafos e biografáveis: que mercado é esse que só faz crescer? Os caminhos da biografia como gênero na contemporaneidade. Quais são eles? Quais as novas formas de escrita que admitem? O profissional de biografias e sua ética num mercado que cresce cada dia mais.

Participantes:
Arthur Dapieve (cronista , jornalista e biógrafo /Renato Russo) /Carlos Didier (compositor e biografo / Noel Rosa) /Ana Arruda Callado (roteirista e biógrafa /Maria Martins) / Euclides Penedo Borges (músico e biógrafo / Euclides da Cunha) / Mediação: Felipe Pena (autor de Teoria da Biografia sem Fim)

11h30 - 13h - domingo
Leitores apaixonados: um encontro com Ruy Castro e Heloisa Seixas. A paixão pela leitura e pelos livros é o tema deste encontro com dois craques da escrita,apaixonados pelos livros e pela profissão.

Participantes:
Heloisa Seixas (escritora) / Ruy Castro (escritor) Mediação: Suzana Vargas (especialista em leitura)

15h - 16h30 - domingo
Sustentabilidade / biodiversidade: por uma nova ética cultural A sustentabilidade como solução para garantir novas formas de sobrevivência para o planeta. Até onde afetará a vida em comunidade, gerando novas formas de convivência.

Participantes:
Fernando Gabeira e Maria Silvia Muylaert . Mediação: Felipe Pena

17h - 18h30 - domingo
O máximo no mínimo - um olhar sobre as poéticas contemporâneas. A poesia como gênero minimalista,que diz muito com a maior economia verbal possível, de vasta produção e pouca inserção no mercado. Que caminhos percorre hoje até chegar ás prateleiras das livrarias. O que é ser poeta hoje?

Participantes:
Ângela Melim, Geraldinho Carneiro, Carlito Azevedo. Mediação: Suzana Vargas

19h - 20h30 - domingo
Questões de Lusofonia. Por onde anda o acordo ortográfico? O acordo ortográfico que completa doisanos e sua adoção brasileira. Por onde anda Portugal e os países de língua portuguesa nessa importante fase de implantação?

Participantes:
Deonísio da Silva (escritor e professor) /Adriano de Freixo (escritor especialista) /Marcelo Moutinho (jornalista e escritor) / Mediação: Cecília Costa
(jornalista e escritora)


15ª PRIMAVERA DOS LIVROS
Jardins do Museu da República- Rua do Catete, 153 - RJ
Das 10h às 22h
Entrada gratuita

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Como escrever bem e paixões pela escrita

Ainda da revista Conhecimento Prático Literatura, edição 26, uma ótima cobertura na seção Almanaque.

Transcrevo abaixo.

* Como escrever bem, segundo Kurt Vonnegut

1. Ache um tema que te importe
2. Mas não fique fazendo muitas digressões.
3. Mantenha tudo simples.
4. Tenha coragem de cortar seu texto.
5. Seja você mesmo.
6. Diga o que você quer dizer.
7. Tenha dó dos leitores.

* Regras de Orwell para Escritores

1. Se for possível cortar uma palavra, corte-a;
2. Nunca use uma palavra longa se você puder usar uma curta;
3. Nunca use um verbo passivo quando você puder usar um ativo;
4. Evite palavras técnicas e estrangeiras;
5. Nunca use uma metáfora que você já tenha visto impressa;
6. Quebre qualquer uma dessas regras para evitar algo simplório.

PREDESTINAÇÃO

Em sua autobiografia, Viver para contar, Gabriel García Márquez conta que inventava histórias desde criança. Tendo vivido na mística casa de seus avós maternos, não foi difícil para o pequeno Gabo iniciar a criação de um universo fantástico, que mais tarde cumularia no mundo etéreo pelo qual seus personagens transitam. Na escola, Gabriel admite ter sido sempre uma tragédia, sempre lendo debaixo dos bancos ao invés de prestar atenção à aula. O escritor conta que tem pena de seus revisores, que sofrem com seus erros primários de ortografia.

Na juventude, seus pais juntam as parcas economias da família e mandam Gabriel para estudar Direito em Bogotá. Mas a predestinação do rapaz para com as letras não arrefece e ele começou a a contribuir em periódicos e a frequentar a alta roda cultural colombiana. Em pouco tempo, a literatura o absorve completamente e ele opta por deixar o Direito, indo de encontro a todas as esperanças da família e ainda que isso implique em fome, necessidade e em dormir em bancos de praça.

ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA

Jorge Luis Borges sempre socializou mais entre livros que entre pessoas. Ele repetidamente afirmava nunca ter saído da biblioteca paterna, na qual passou a infância, tendo por brinquedos as letras. Mas a cegueira esgueirava-se feito um tigre atocaiado, tirando-lhe suas fiéis companheiras de tinta. Jamais deixou de ler ou escrever, por mais que essas palavras já não mais pudessem ser aplicadas: compunha o máximo possível por detrás dos olhos e só então ditava o texto a ser escrito, para a mãe ou uma secretária. Também confiava nos olhos de outros para continuar com sua vasta leitura, que emprestava vozes femininas a Chestertons, Kafkas e Heines. Lia e escrevia como podia. Muitas vezes, como não podia, autografando cópias de seus livros apenas com a lembrança de como eram os traços. Mas nunca deixou de lado sua primeira paixão. Certa vez disse, em inglês, numa conferência: "Como sabem, eu me aventurei na escrita; mas acho que o que li é muito mais importante que o que escrevi. Pois a pessoa lê o que gosta - porém não escreve o que gostaria de escrever, e sim o que é capaz de escrever."

domingo, 22 de novembro de 2009

Entrevista com Pedro Bandeira

A revista Conhecimento Prático Literatura (Escala Educacional) desse mês (nº 26) traz uma ótima entrevista com o escritor Pedro Bandeira.

Um dos maiores escritores de literatura infantojuvenil, com mais de 80 livros publicados, se revela plenamente realizado profissional e pessoalmente. É bom ouvir isso de alguém que abandonou tudo para ser apenas escritor, para se dedicar a sua paixão. Nessa entrevista, feita a Samanta Caliman e Sérgio Simka, ele nos encanta como em seus livros.

E sem ter como deixar de dividir com vocês, transcrevo três passagens ótimas da entrevista.

CP LITERATURA: A Marca de uma Lágrima é um livro que encantou milhares de leitores. Qual é a receita de tanto sucesso?
Uma novela sobre um amor jovem sempre agrada adolescentes. E essa é uma recriação moderna de uma das mais famosas histórias de amor da história da Literatura: Cyrano de Bergerac, de Edmond Rostand. Acho que meu "pulo do gato" é o modo como eu trabalho o foco narrativo, matéria sobre a qual costumo dar inúmeras conferências pelo Brasil e que talvez um dia seja o conteúdo de algum ensaio que eu poderia vir a escrever, no intervalo de dois livros de ficção. Mas isso parece difícil, porque é a ficção que me dá tesão.

CP LITERATURA: O que tem a dizer sobre os livros de Harry Potter?
Só li o primeiro e acho ótimo! A escocesa merece o sucesso que conseguiu. Mais uma vez eu gostaria de ter novamente dez anos, só para poder usufruir dos livros dela na idade certa (eu não disse que tenho várias razões para voltar aos meus dez anos?).

CP LITERATURA: Você inspirou vários escritores. Que conselho você poderia dar a quem sonha em um dia publicar um livro?
Aqui vai: seja um leitor. Leia mais do que 99% da humanidade. Quando seus amigos estiverem indo para "baladas", fique em casa com um livro. Veja como os outros escrevem. Engula-os, analise-os, digira-os, emprenhe-se deles, ame-os, critique-os, odeie-os, injete-os em suas veias, enlouqueça com eles! E mais: seja uma cinéfila. Os roteiros de cinema e os pontos de vista das câmeras têm muito a nos ensinar. Isso fui: um leitor voraz somente pela diversão, jamais para estudar (aliás, sempre fui um péssimo aluno - na véspera de uma prova de Física, é provável que eu estivesse lendo Dostoiévski). Leia ficção, leia poesia, leia História, leia Sociologia, leia Filosofia. Na prova de Matemática, cole dos colegas. Esqueça que te ensinaram como extrair uma raiz quadrada, não aprenda como calcular o mínimo múltiplo comum, mas chore ao ler Baudelaire, sue ao ler Shakespeare, fique molhadinha ao ler Vinícius, tenha orgasmos ao ler Machado, enlouqueça ao ler Dostoiévski, sinta-se morrer na frente de Tabacaria, de Fernando Pessoa. Se, depois disso, você não se tornar um escritor, na certa é porque você estará mudando o planeta de lugar!

sábado, 21 de novembro de 2009

A Campanha Teatro para Todos está de volta

A Campanha Teatro para Todos está de volta. Em sua sétima edição, serão oferecidos 100 mil ingressos para 69 espetáculos, a preços de R$ 5 a R$ 25.

A campanha segue até 20 de dezembro e a venda é feita nos seguintes postos:

- um quiosque fixo na Cinelândia
- outros quiosques móveis que circulam pela cidade
- postos BR
- lojas America$ Express
- site Ingresso.com

Os detalhes e a lista dos espetáculos podem ser conferidos no site da promoção: http://www.teatroparatodos.com.br/.

Ano passado eu participei. Comprei ingressos para uma das peças e minha única decepção com a promoção foi o que eles deixaram reservado de lugares: os piores. Chegamos cedo no teatro para trocar os ingressos e ao nos apresentarem o mapa, apesar de terem lugares ao centro, nos disseram que somente as últimas fileiras da lateral estavam disponíveis. Achei um desrespeito, pois em lugar algum do site havia alerta para isso.

Atualização: acabei de entrar no site deles e por meio de mensagens dos leitores, foi denunciada essa prática no ano passado. Eles informam que é proibido qualquer tipo de discriminação dos espectadores da campanha. Então, fiquem atentos!

Se acontecer, reclamem.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Angela Dutra de Menezes no Espaço Aberto Literatura

Sexta-feira, para quem estiver em casa, e puder sintonizar na Globo News, irá assistir a uma ótima entrevista feita por Edney Silvestre, com a escritora Angela Dutra de Menezes, no programa Espaço Aberto Literatura.

Para quem não puder, é só esperar que o G1 publica os vídeos dessas entrevistas.

Veja abaixo a divulgação da Record:

"Entre as mais importantes autoras da literatura brasileira, com mais de 50 mil livros vendidos no Brasil e em Portugal, Angela Dutra de Menezes é uma das convidadas do programa Espaço Aberto Literatura, que vai ao ar nesta sexta-feira, dia 20 de novembro, a partir das 21h30, no canal 40 da NET. Angela fala sobre seus livros, entre eles, seu último romance, A tecelã dos sonhos — onde narra com muito bom-humor, a trajetória de Berenice, espécie de ater ego da autora, da infância à velhice — e a reedição de O português que nos pariu. O livro apresenta uma nova maneira de encarar a História de nossos antepassados lusos.

Confira o que saiu na imprensa sobre a autora:

"Sem qualquer pompa, em linguagem clara e simples, esbanjando humor, Angela Dutra de Menezes dessacraliza fatos e personagens e resgata, com propriedade, a epopéia portuguesa, da qual somos frutos" — Verônica Aguilera, O Globo

"(...) Um livro fascinante. Texto primoroso, cheio de graça, ironia e, sobretudo, amor" — Antônio Ferreira, jornalista português

"É História, sim. Mas temperada em muitas especiarias. Um livro delicioso" — Feliciana Ferreira, Diário de Notícias, Portugal

"Um livro delicioso, amigável e repleto de humor e carinho" — Vamberto Freitas, Portuguese Times, Estados Unidos

"Quem espera um livro didático, vai se surpreender com a linguagem absolutamente coloquial (...). Com muito charme, Angela Dutra de Menezes revê a história lusa para entender o Brasil e os brasileiros" — Daniela Mata Machado, Estado de Minas

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Próximo Leitura em Debate

Foram maravilhosos todos os eventos do Leitura em Debate que eu participei.

Para quem está no Rio e ainda não teve oportunidade de assistir a nenhum, não perca o próximo, dia 19 de novembro, às 16h.

Clique na imagem abaixo para ver os detalhes.

domingo, 15 de novembro de 2009

Leitura na praça


O blog do Galeno Amorim e a Agência Brasil que Lê publicaram uma notícia curiosa e estimulante. Mais uma ideia, para lá de criativa, veio à luz, a fim de divulgar a literatura e esse amor pelos livros, que só quem foi flechado pelo cupido literário pode entender.

Em Paris, existe um grupo chamado leitores públicos que se dedicam a divulgar a literatura de uma forma bem especial: eles levam caixas de som para os parques e leem seus livros usando o microfone. As palavras ecoam pelo ambiente, tentando alcançar o espírito de quem passa. Uma combinação perfeita: livros e Natureza.

Leia a matéria no blog do Galeno.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Evento no Oi Futuro

Para quem está no Rio, não pode perder os eventos que acontecerão no Oi Futuro.

A Estação das Letras apoiada pela OI Futuro faz a curadoria e produção das palestras e workshops gratuitos sobre livro digital que vão acontecer no evento Livro@Futuro.com nos dias 16, 18 e 19/11.

É, na verdade, o primeiro evento a discutir o assunto de modo sistemático.

Clique na imagem abaixo para conferir a programação.




Precisamos de uma iniciativa assim...

Uma empresa de ônibus e uma editora de Portugal vão distribuir capítulos de livros aos passageiros. Os livretos terão 16 páginas e serão produzidos em formato de bolso. O objetivo é aumentar o número de leitores de Portugal, que tem a menor taxa da União Europeia.

Bem que aqui no Brasil poderiam aderir a essa campanha.

Leiam a matéria completa na BBC.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Resultado do Prêmio Portugal Telecom

O escritor e artista plástico brasileiro, Nuno Ramos recebeu esta terça-feira o Prêmio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa 2009, com o romance, Ó.

O segundo e o terceiro lugares também foram de brasileiros: João Gilberto Noll, com "Acenos e Afagos" e Lourenço Mutarelli, com "A Arte de produzir efeito sem causa", respectivamente.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Sobrecapa no Portal O Livreiro

Hoje saiu uma matéria muito bacana no Portal O Livreiro a respeito do meu site Sobrecapa, mais especificamente sobre a lista de mais vendidos exclusiva da literatura nacional.

Os mais vendidos que ninguém conhece
Por Douglas Duarte

As listas de mais vendidos estão atulhadas, hoje, de livros de vampiros, a maior parte deles de Stephenie Meyer, autora da série Crepúsculo. Justo. Justíssimo. O resto da seleção geralmente gira em torno de A cabana, de William P. Young, Para sempre, de Noel Alyson, e algum livro em que uma criança encontra o sentido da vida em uma cidade perdida em meio à guerra (sim, me refiro aos livreiros de Cabul, às meninas que roubavam livros, aos caçadores de pipas e similares). Justo. Justíssimo, também.

Mas por que nunca vemos uma lista dos autores brasileiros mais vendidos? Talvez porque, se não forem os autores estrangeiros, serão os augustos curys, paulos coelhos, zibias gasparettos e outros autores que trabalham no limiar entre a literatura e a autoajuda. Novamente, nada demais. Há público para eles, há provavelmente mérito nos livros que fazem. Mas ainda assim persiste a pergunta: por que não vemos nos jornais, revistas, sites e blogs uma lista dos ficcionistas brasileiros mais vendidos?

A blogueira Ana Cristina Melo foi além da perplexidade que a pergunta causa e resolveu pôr a mão na massa. Ela decidiu fazer ela mesma a lista e publicar no seu Sobrecapa. A lista de mais vendidos da primeira semana de novembro pode ser vista aqui. As anteriores, aqui.

É trabalho de formiguinha: ela começou a lista a partir das informações dadas por uma única livraria, a Estação das Letras, no Rio de Janeiro. Três meses depois, sua lista já é feita com base nas informações fornecidas por livrarias em quatro estados: Rio, São Paulo, Santa Catarina e Paraná. (Confiram a matéria completa no Portal O Livreiro)

domingo, 8 de novembro de 2009

Parabéns ao Ficção de Gaveta

Meu blog dedicado aos concursos literários e seus resultados, o Ficção de Gaveta, completa hoje 1 aninho de vida.

E o que começou sendo apenas um lugar para me ajudar a centralizar os concursos dos quais eu participava, se tornou um canto especial para os escritores iniciantes que buscam informações para tirar seus textos da gaveta.

Acho que não fiz feio, pois com 1 ano de vida, atingi a marca de 98.105 acessos (até a última verificada, há 1 minuto, rsrsrs).

Aviso que se alguém quiser colocar um anúncio no blog, fique atento, pois em breve vou abrir espaço para publicidade.

Entrevistas com escritores

Confira vídeos de entrevistas com escritores e convidados da Fliporto 2009.

sábado, 7 de novembro de 2009

Duas entrevistas maravilhosas

Duas entrevistas maravilhosas feitas por Edney Silvestre.

A primeira, no Espaço Aberto Literatura, com o escritor João Ubaldo Ribeiro, falando sobre o seu livro O Albatroz Azul.


A segunda, é da coluna Bate-papo do RJ TV e foi com Dona Marina Araújo, de 87 anos, diretora do Banco da Providência. Dona Marina acredita que é possível construir um mundo melhor. Edney, no final, deixa que seu silêncio diga o que de maravilhoso essa mulher nos ensinou.

Poema "Instantes"

O poema "Instantes" circula na Internet. Em muitos lugares foi atribuíbo ao escritor Jorge Luis Borges. Em vários outros, há quem garanta que a atribuição é indevida.

Bem, polêmicas à parte, o que importa é a força desse poema. Emocionante. Exibe em magnitude a força da palavra.

Julguem vocês mesmos...

Si pudiera vivir nuevamente mi vida,
en la próxima cometeria más errores.
No intentaría ser tan perfecto, me relajaría más.

Sería más tonto de lo que he sido,
de hecho tomaría muy pocas cosas con seriedad.

Seria menos higiénico.
Correría más riesgos,
haría más viajes,
contemplaría más atardeceres,
subiría más montañas, nadaría más ríos.
Iría a más lugares adonde nunca he ido,
comería más helados y menos habas,
tendría más problemas reales y menos imaginarios.

Yo fui una de esas personas que vivió sensata
y prolificamente cada minuto de su vida;
claro que tuve momentos de alegrias.
Pero si pudiera volver atras trataría
de tener solamente buenos momentos.

Por si no lo saben, de eso está hecha la vida,
sólo de momentos; no! no te pierdas el ahora.

Yo era uno de esos que nunca
iban a ninguna parte sin un termómetro,
una bolsa de agua caliente,
un paraguas y un paracaídas.

Si pudiera volver a vivir
comenzaría a andar descalzo a principios
de la primavera
y seguiría asi hasta concluir el otoño.
Daría más vueltas en calesita;
contemplaría más amaneceres,
y jugaría mas con los niños,
si tuviera otra vida por delante...


Pero ya ven, tengo 85 años...
y sé que me estoy muriendo.

Tradução livre (minha...)

Se pudesse viver minha vida novamente,
na próxima cometeria mais erros.
Não tentaria ser tão perfeito, relaxaria mais.

Seria mais tonto do que tenho sido,
De fato, tomaria muitas poucas coisas com seriedade.

Seria menos higiênico.
Correia mais riscos,
faria mais viagens,
contemplaria mais entardeceres,
subiria mais montanhas, nadaria mais em rios.
Iria a mais lugares aonde nunca tivera ido,
comeria mais sorvetes e menos grãos,
teria mais problemas reais e menos imaginários.

Eu fui uma dessas pessoas que viveu sentata
e prolificamente a cada minuto da sua vida;
claro que tive momentos de alegrias.
Mas, se pudesse voltar atrás trataria
de ter somente bons momentos.

Mas se não o sabem, disso está feita a vida,
só dos momentos; não! não percas o agora.

Eu era um desses que nunca
iam a nenhum lugar sem um termômetro,
uma bolsa de água quente,
um guarda-chuva e um paráquedas.

Se pudesse voltar a viver
começaria a andar descalço no princípio
da primavera
e seguiria assim até terminar o outono.
Daria mais voltas na rua;
contemplaria mais amanheceres,
e brincaria mais com as crianças,
se tivesse outra vida pela frente...

Mas vejam, tenho 85 anos...
e sei que estou morrendo.

Drummond: um presente que recebi e repasso a vocês

Um presente para vocês que recebi do escritor Alexandre Brandão.

Um poema de Drummond pela voz do próprio Drummond (no Youtube).

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Lançamento de "Se eu fechar os olhos agora" em São Paulo


Quem está em São Paulo não pode perder:

Amanhã (sábado), dia 07/11, às 11h, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, ocorrerá o lançamento do romance Se eu fechar os olhos agora, do jornalista Edney Silvestre.

O livro está muito bom e não sou só eu que digo. Quem já leu, assina embaixo. Para saber todos os detalhes, é só ler a divulgação que fiz no Sobrecapa.
Mas o importante é não perder esse lançamento, que se for igual ao que aconteceu na última terça, no Rio, será um grande evento.

Paixão de Ler

Campanha Paixão de Ler chega a sua 17ª edição trazendo mais de 100 atrações em espaços como, ABL, Quinta da Boa Vista, Aterro do Flamengo, Biblioteca Nacional e GRES Império Serrano

O evento que começou ontem, se estende até dia 12 de novembro, com debates, palestras e contadores de histórias. E entre prosas e versos, teremos Marina Colassanti, Antônio Cícero, Adriana Falcão, Antônio Torres, Ferreira Gullar, Alcione Araújo, Bia Bedran, José Mauro Brant, Paulo Bi, Zé Zuca e muitos outros que integram a programação do projeto Paixão de Ler - uma iniciativa da Coordenação de Livro e Leitura, da Secretaria Municipal de Cultura.

A entrada é gratuita.

A cerimônia de abertura (somente para convidados) aconteceu ontem, às 17h30, na Fundação Biblioteca Nacional (Palácio Eliseu Visconti), com palestra de José Castello e Bartolomeu Campos de Queirós.

Em sua 17ª edição a campanha tem o tema Paixão de Ler Literatura - escolhido para que a prática da leitura literária seja o foco das ações.

"Queremos mobilizar toda a cidade por um Rio Literário" conta Lêda Fonseca, Coordenadora do Livro e Leitura da Prefeitura do Rio. Para isso, a programação deste ano contempla a diversidade - não só pela vastidão de atrações que são mais de 100, mas também pelos espaços onde estes eventos serão realizados - como a Academia Brasileira de Letras, Biblioteca Nacional, Bibliotecas Populares, Quinta da Boavista e quadra da GRES Império Serrano.

Para conferir toda a programação, acesse o blog do evento: http://www.paixaodeler2009.blogspot.com/.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Prêmio Jabuti - melhor livro do ano

Fonte: Prosa online

O escritor gaúcho Moacyr Scliar venceu com o romance "Manual da paixão solitária" (Cia da Letras) o prêmio Jabuti de melhor livro do ano na categoria ficção.

Marisa Lajolo e João Luís Ceccantini foram os ganhadores na categoria de não-ficção com "Monteiro Lobato: livro a livro" (Unesp e Imprensa Oficial).

A premiação aconteceu na noite desta quarta-feira na Sala São Paulo, na capital paulista. Cada um dos livros ganhadores recebeu R$ 30 mil, além de um troféu em forma de jabuti dourado.

- O Jabuti é como o Oscar literário - comemorou Scliar, dizendo-se orgulhoso. - Agradeço a minha mulher, pois todo escritor deve ter atrás de si uma mulher que aguente o tranco; a meu pai, que me ensinou a contar histórias e a minha mãe, que me ensinou o prazer da leitura - completou.

Professora titular de Teoria Literária da Unicamp Marisa Lajolo, vencedora na categoria de não-ficção com o livro "Monteiro Lobato: Livro a livro" (Unesp e Imprensa Oficial), recebeu um elogio de seu colega laureado:
- Marisa é a melhor cabeça da teoria e crítica literária, pode escrever - declarou Moacyr Scliar.
- Lobato é realmente um escritor

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Meu site nasceu

Estou há um bom tempo, desde que registrei meu domínio, para reformular meu site. E nunca sobrava tempo. Mas hoje tomei vergonha e consegui.

Basicamente tudo que está lá é possível encontrar aqui no Canastra. Mas acho importante ter esse lugar centralizador, de onde é possível partir para todos os meus espaços literários, que traga um pouco mais da minha história.

Então, quando quiserem, já podem visitar: http://www.anacristinamelo.com.br.

domingo, 1 de novembro de 2009

Fórum das Letras de Ouro Preto

O Fórum das Letras de Ouro Preto é um dos eventos literários mais importantes do país. Esse ano está acontecendo desde o dia 29 de outubro e vai até amanhã, dia 2.

Confira uma cobertura especial do Fórum, no site da querida Paula Cajaty, que direto de lá, está nos trazendo todos os detalhes, sob seu olhar poético.

Uma outra cobertura de todas as mesas também pode ser conferida no site http://www.ouropreto.com.br/.

Mas para ter um gostinho do que foi dito, capturei algumas frases que foram ditas em algumas mesas, tiradas do twitter e do Facebook do Fórum das Letras. Assim vocês curtem o meu olhar sobre o olhar de quem está cobrindo o Fórum.

* Mesa O Papel da Crítica Literária no Brasil: Limites e Possibilidades (dia 30, sexta), com Almir de Freitas (editor da revista Bravo), José Castello (crítico literário e escritor), Luciano Trigo (jornalista e escritor) e Manuel da Costa Pinto (jornalista e crítico). Mediação de Guiomar de Grammont

Manuel da Costa Pinto: "É importante lembrar que a crítica tem uma historicidade. A atividade nasce a partir do momento em que arte passa a ser mais indívidual portanto mais hermética. O crítico nasce como uma forma de estabelecer uma forma de comunicabilidade entre a arte e seu expectador/ leitor"

Manuel da Costa Pinto: "Existe uma intencionalidade não do autor, mas do texto. O papel do critico é tentar entender essa intenção."

Almir Freitas: "Se a crítica se comporta como um tribunal, ela está agindo de forma distorcida."

Luciano Trigo: "O escritor se desabituou a ser contestado."

José Castello: "Não me considero um crítico literário, sinto que sou jornalista. Me vejo mais como um cara que se aventura na literatura."

José Castello: "o elogio pode ser muito perigoso, principalmente para escritores jovens.Pode incentivar a preguiça intelectual."

José Castello: "A maior dificuldade que tenho nas oficinas que ministro, principalmente em relação aos jovens, é que eles esperam regras e fórmulas de como se tornar um escritor."

Manuel da Costa Pinto: "Paulo Coelho é um fenômeno de sociologia da leitura, não de literatura."

José Castello: "O escritor tende um pouco a ganhar o papel de sábio na cabeça das pessoas, e o mesmo em relação aos críticos."

Manuel da Costa Pinto: Uma das formas de fazer crítica é ser respeitoso em relação às ambiguidades de leitura.

* Mesa Passos da produção do livro: da redação à edição (dia 30, sexta), com Lucia Riff (agente literária), Anne-Marie Metaillié (editora) e Ricardo Aleixo (poeta). Mediação de André Miranda.

Lúcia Riff: "Só é escolhido para ser editado o que já nasceu muito bom. E muitas vezes as pessoas não tem muito senso crítico."

Anne-Marie Metaillié: "Quando abre um manuscrito, você sabe quando está se aproximando do mar, você não o vê, mas sente uma força original"

Anne-Marie Mettaillié: "o difícil em um catálogo é fazer a publicação de um ano e reservar espaço para os novos escritores"

Anne-Marie Metaillié: "Bernardo Carvalho e Adriana Lisboa são os autores brasileiros, entre os que eu publico, que mais vendem na França."

Anne-Marie Metaillié: "Querem ler um romance verdadeiro? Um romance que faz rir ou chorar? Leiam Machado de Assis."

Anne-Marie Metaillié: "Lembro-me de cada livro que publiquei. Foi uma eleição afetiva"

Lúcia Riff: "os agentes literários não são imprescindíveis. O bom editor e o autor consciente podem se entender muito bem."



* Mesa Memória Reinventada (dia 31, sábado), com Edney Silvestre (jornalista e escritor) e Sasa Stanisic (escritor). Mediação de Marcelo Backes

Marcelo Backes: "Os livros de Sasa e Edney se aproximam no sentido de que, de alguma maneira, ambos tentam reconstruir seus países."

Edney Silvestre investiu 6 anos para escrever seu último livro e diz que provavelmente terá que investir mais 6 para que saia outro.

Sasa: "O mais difícil em meu livro foi imaginar, criar a ilusão de como uma criança pensa."

Sasa: "Em meus livros escolares Yuri Gagarin não era herói somente porque foi o primeiro a chegar ao espaço mas porque ganhou dos americanos."

Marcelo Backes: Para ambos os autores: o que os movimenta a escrever?

>> Edney: "não sei, sei que é inevitável." Sasa: "eu simplesmente gosto de sentar e escrever. Desde criança sabia que queria fazer isso."

* Mesa Paixão pela palavra: a leitura é uma forma de autobiografia?, com Heloisa Seixas (escritora) e Ruy Castro (jornalista e escritor)

Heloisa: "quando as histórias se apresentam para mim, elas já se apresentam no tamanho que querem ser. Eu olhava pelas ruas e, quando a história surgia, eu já sabia que aquilo era um conto mínimo. Foi assim também que os romances que eu escrevi aconteceram. Aquilo surgia na minha cabeça. E eu sabia que aquela história precisava de mais espaço."

Ruy Castro: "a Heloisa foi fisgada pela palavra contada, e eu fui fisgado pela palavra das jornais."

Ruy Castro: "Qualquer livro, por pior que seja, pode ser considerado de auto-ajuda. Não existe nada com o poder de transformação que um livro tem."

Heloisa: "Se alguém me perguntasse se eu queria fazer alguma coisa de não ficção, eu diria que não. A experiência de escrever um livro de não ficção foi uma surpresa pra mim." (Heloisa sobre o livro O Lugar Escuro, que conta a história da mãe com Alzeheimer)

Ruy: "a palavra é uma ferramenta extremamente poderosa"

E as pessoas que estão fazendo uso dela precisam estar conscientes de que podem mudar a vida das pessoas que as leem para o bem e para o mal

Nunca perdi um grama do prazer e satisfação de ler. Tento transportar isso pros meus livros. Faço questão de que sejam uma fonte de prazer.

Ruy fala da relação com Heloísa em casa. "Tudo o que escrevo, eu obrigo a Heloísa a ler. O contrário não acontece, pq ela escreve ficção"

Ruy: "de vez em quando me falam que só escolho filé (bossa nova, carmen miranda etc). Mas não é assim. A Bossa, em 1988, não estava em alta."

Heloisa: "Nenhum livro teve impacto tão forte na vida do Ruy e na minha também quanto Carmen. O outro livro, para mim, é Primo Basílio"

Ruy Castro: "Li muita literatura policial e de aventuras. Literatura barata e popular que os jovens leem. Quando ficamos mais velhos, buscamos os grandes autores, como Balzac, Flaubert, Machado de Assis e o Eça. Conteúdos mais importantes na literatura. Passei por Hemingway e tudo o que vocês podem imaginar. Mas nunca estabeleci uma ordem de valores entre uma literatura séria e a literatura popular."

sábado, 31 de outubro de 2009

Últimas notícias

Nossa, passo tanto tempo sem conseguir publicar os posts, que quando venho, não dá para ser só um. :) Mas antes tarde, ...

Vamos às notícias quentinhas (ou nem tanto):

* Site de crônicas "Vida Breve":

Será lançado na próxima segunda-feira, dia 2 de novembro, o site Vida Breve, um site de crônicas. A ideia partiu dos jornalistas Rogério Pereira (editor do jornal literário Rascunho) e de Luís Henrique Pellanda, colunista do mesmo jornal, e que, agora em novembro, lança seu primeiro livro de contos, O macaco ornamental, pela Editora Bertrand Brasil.

Para cada dia da semana, haverá uma dupla fixa de colaboradores, formada por um cronista e um ilustrador. Veja o time de cada dia, respectivamente cronistas e ilustradores:

- Segunda-feira: Rogério Pereira e Ricardo Humberto
- Terça-feira: Eliane Brum e Ramon Muniz
- Quarta-feira: Fabrício Carpinejar e Osvalter
- Quinta-feira: Luís Henrique Pellanda e Simon Ducroquet
- Sexta-feira: Tatiana Salem Levy e Felipe Rodrigues
- Sábado: Ana Paula Maia e Tereza Yamashita
- Domingo: Humberto Werneck e Marco Jacobsen

Leia no site do PublishNews a biografia de cada um.

* Novo site da Cosac Naify oferece download gratuito de livros

O endereço é o mesmo, http://www.cosacnaify.com.br, mas o conteúdo está reformulado. A Cosac Naify colocou no ar seu novo site, trazendo várias novidades, entre elas, o download gratuito de livros. Para começar, o leitor tem até o dia 28/11 para baixar o livro Flores do escritor mexicano Mario Bellatin, com tradução de Josely Vianna Baptista.

O site propõe maior interatividade com os leitores, por meio de ferramentas como o twitter e o blog, este que adiantará trechos de obras que serão lançadas, curiosidades sobre a escolha das capas e informações sobre os lançamentos da editora.

* Comemoração do nascimento de Carlos Drummond de Andrade

Hoje se comemora 107 anos do nascimento de Carlos Drummond de Andrade. A festa acontecerá junto à sua estátua, na orla de Copacabana, com bolo, leitura de poema e cartaz pedindo, pelo amor de Deus!, para deixarem os óculos em paz. Ao lado da estátua, integrantes do Corujão da Poesia vão instalar "kit poema" com clássicos de Drummond, que estarão presos a uma cordinha e encapados, para o caso de chuva. Isso tudo conta a coluna Gente Boa, de Joaquim Ferreira dos Santos.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Livros na mesa

Clique na imagem para ver mais detalhes

domingo, 25 de outubro de 2009

Últimos lançamentos do Sobrecapa

Confiram os últimos lançamentos divulgados no meu site Sobrecapa:

Vinis Mofados, de Ramon Mello.

e

O português que nos pariu, de Angela Dutra de Menezes

Obrigada aos muitos leitores do Canastra

Aniversário mesmo, o Canastra completou em 25 de maio, quando fez 1 aninho.

Mas eu só cheguei a colocar um contador de acessos no blog 5 meses depois, em 25 de outubro de 2008.

Isso significa que hoje comemoro 1 ano do contador de acessos. Se comemora isso? Sei lá. Só sei que 1 ano depois, fico imensamente feliz com os 21.495 acessos que ele registra.

Caramba, não podia imaginar tanto. E não é só aqui que fico feliz. Olhando meu outro blog, o Ficção de Gaveta, que completará 1 ano no próximo dia 8 de novembro, também tenho a maior felicidade, pois ele já conta com mais de 90 mil acessos.

Por isso, mesmo correndo para cumprir todas as pendências que não consegui dar conta no final de semana, não podia deixar passar a data de hoje em branco.

Obrigada a todos que visitam o Canastra, a todos que curtem minhas notícias, minhas impressões literárias, meus contos, resenhas e quaisquer outros assuntos que eu queira dividir com vocês. Posso sumir por alguns dias, mas saibam que meu pensamento está sempre aqui, e eu ansiosa para trocarmos essa energia tão gostosa.

Beijos carinhosos a todos.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Copa de Literatura Brasileira

Saiu o resultado do segundo jogo da Copa de Literatura Brasileira.

Dessa vez, tem um competidor para lá de polêmico. Veja:

Antônio Xerxenesky (Areia nos dentes) X Paulo Coelho (O vencedor está só)

Confiram para quem foi o voto do advogado e escritor Fernando Torres.

Festa Literária da EDEM

Está acontecendo desde ontem (é, eu sei, estou atrasadíssima, mas é um absurdo o dia ter só 24 horas. rsrsrs), no Rio de Janeiro, a Feira Literária da EDEM.

A programação está uma delícia e vale conferir!

Para conferir, acessem: http://www.edem.g12.br/v2/materia.php?id=187.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Outros programas

Não temos apenas o Espaço Aberto Literatura como ótimo programa de entrevista. Outro programa muito bom é o Umas Palavras, apresentado pela Bia Fonseca Côrrea Lago, no qual há o encontro com grandes personalidades da literatura e música brasileiras.

O programa vai ao ar às sextas-feiras, às 22h, com repetição aos sábados (22h) e domingos (21h30), no Canal Futura (32).

Veja a programação:

23/10 - Fernando Bonassi
30/10 - Evaldo Cabral de Mello
06/11 - Carlinhos Brown
13/11 - Luiz Antonio de Assis Brasil
20/11 - Marcelino Freire
27/11 - Erasmo Carlos (primeira parte)
04/12 - Erasmo Carlos (segunda parte)

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Copa Brasileira de Literatura

As partidas já começaram.

Cliquem rapidinho no link da Copa de Literatura Brasileira e confiram o resultado do primeiro jogo, entre Daniel Galera (Cordilheira) x Maria Esther Maciel (O livro dos nomes).

O jurado foi o jornalista, tradutor e escritor Paulo Polzonoff Jr.

domingo, 18 de outubro de 2009

Espaço Aberto Literatura: vídeos e campanha

Há algum tempo já não vejo televisão. Não só o tempo encurtou e muito, como o interesse diminuiu sensivelmente pelos programas da tevê aberta. Até as novelas que me atraíam, há alguns anos fui deixando de lado. As que ainda me chamavam atenção, eu assistia a um ou outro capítulo. Bastava o enredo começar a "encher linguiça", que abandonava.

Atualmente, as poucas vezes que ligo a tevê, são para programas literários ou séries que me agradam, que passam na tevê a cabo. Um deles que acho imperdível é o Espaço Aberto Literatura. Os convidados de Edney Silvestre são, na maioria das vezes, brilhantes, e o próprio Edney consegue extrair o que de melhor podemos saber desses escritores e de suas obras. Quando perco a transmissão que acontece, em primeira exibição, às 21h30m das sextas-feiras, recorro ao site G1, que disponibiliza os vídeos.

Por isso, venho dividir com vocês algumas dessas entrevistas, muitas vezes empolgantes ou emocionantes.

E aproveito para lançar uma campanha que prometi fazer há algum tempo: vamos pedir que o Espaço Aberto Literatura seja transmitido na tevê aberta!

Aí vocês vão se perguntar, mas a Ana está doida? Ela não acabou de dizer que quase não assiste mais à tevê aberta. Sim, eu não, mas milhões de brasileiros assistem. E o que mais faço não é incentivar a literatura? Então, é tudo que eu queria, que a grande massa tivesse acesso a um programa maravilhoso desses, de preferência em horário nobre. Que conhecessem nossos escritores contemporâneos, que conhecessem os clássicos, citados por esses contemporâneos. Que entrassem numa livraria procurando o livro do qual ouviram falar no último programa do Edney. Quero que a lista de mais vendidos exclusiva da literatura nacional seja uma realidade, não manipulada (no sentido de tirar lá da 50ª posição os livros nacionais, para fazer a lista só dos brasileiros), mas tirá-los das primeiras posições mesmo. Disputando espaço de igual para igual com os estrangeiros.

Então, façam como eu fiz há dois meses. Liguem para a Central de Atendimento ao Telespectador da Tv Globo (21-4002-2884) ou acessem o site da CAT, e peçam que o Espaço Aberto Literatura (transmitido na Globo News) seja reprisado na tevê aberta. De preferência, logo depois da novela das oito, que hoje passa às nove. :)

E enquanto isso, tirem um tempinho para assistir aos vídeos das últimas entrevistas. É um tempo de investimento. Há outras ótimas entrevistas. Essas é apenas a minha lista, não só das últimas entrevistas que consegui assistir, mas das que adorei.

- Entrevista com o escritor Moacyr Scliar (exibida em 16/10/2009)

- Entrevista com os escritores Paulo Rodrigues e Manoela Sawitzki (exibida em 09/10/2009)

- Entrevista com o escritor David Grossman (exibida em 25/09/2009)

- Entrevista com a escritora Thalita Rebouças (exibida em 18/09/2009)

- Entrevista com os escritores Altair Martins e Ronaldo Corrêa de Brito (exibida em 28/08/2009)

- Entrevista com a escritora Claudia Lage (exibida em 07/08/2009)

- Entrevista com os escritores Gregorio Duvivier e Rodrigo Lacerda (exibida em 31/07/2009)

- Entrevista com os escritores Antonio Fernando Borges e Lucia Bettencourt (exibida em 12/06/2009)

- Entrevista homenagem ao escritor uruguaio Mario Benedetti (exibida em 22/05/2009)

- Entrevista com o escritor Miguel Sousa Tavares (exibida em 15/05/2009)

Pouco tempo, mas suficiente para descobrir grandes amigos

Às vezes me pergunto se sou doida em dividir o tão pouco tempo que tenho para escrever e ler, com a manutenção de três espaços literários, sem contar as visitas aos blogs e sites, e ao Facebook.

Mas quando essas pequenas fatias de tempo se multiplicam na descoberta de leituras prazerosas e escritores incríveis, no surgimento de novas amizades, tenho a certeza que não é loucura, antes sensatez, de me manter viva, respirando o que de melhor existe nesse ar literário puro e inspirador.

Assim, não só vou achando cantinhos legais, como vou fazendo amigos, descobrindo textos que me deixam no chão. E isso o Canastra de Contos e o Sobrecapa já me gratificaram, sem medidas.

E foi o Sobrecapa que me deu de presente um novo amigo: o escritor André Giusti. Uma ótima pessoa, de incrível talento. Talento que sobra em seu último livro de contos: A liberdade é amarela e conversível. Querem ler contos muito bem escritos, que tocam fundo, que mexem com nossas lembranças, nossas emoções, então leiam esse livro. Não deixem de ler. E o André, generoso como é, acabou de lançar seu belíssimo site (www.andregiusti.com.br), no qual não só divulga vários contos do livro, como coloca à disposição o download de livros anteriores.

Uma oportunidade imperdível de conhecer seu talento. Tenho que certeza que após terminar "A liberdade...", vocês ficarão com vontade de ler tudo o mais que ele produziu e ainda virá a produzir.

sábado, 17 de outubro de 2009

Sobre o Nobel que não foi para Roth

A sensação é de frustração quando não se ganha um grande prêmio literário. Ou para quem está do outro lado da torcida, quando não vemos quem gostaríamos ganhar esse grande prêmio.

No caso do Nobel, para uma boa fatia, a sensação é de perplexidade. Quem é Herta Müller? Quantos conhecem sua literatura? Por que Roth perdeu mais uma vez?

E se me fiz, em silêncio, essa pergunta, Adriano Schwartz a fez no Caderno Mais da Folha de São Paulo do último domingo.

E para dividir com vocês, reproduzo o artigo.

Consenso de crítica, Roth é preterido mais uma vez
ADRIANO SCHWARTZ
ESPECIAL PARA A FOLHA

Quem já leu o novo romance de Philip Roth, "The Humbling", diz que a história do grande ator que chega à velhice e de repente se sente perdido e inseguro é magnífica. Reação parecida aconteceu quando "Indignação" foi publicado e, antes, com "Homem Comum". Ao que tudo indica, os críticos que acompanham o romance contemporâneo parecem discordar muito pouco em relação ao lugar decisivo do criador de Nathan Zuckerman na literatura das últimas décadas.

E Roth, mais uma vez, não ganhou o Nobel.

A longa lista de autores importantes que morreram sem o prêmio (sempre tão exaustivamente repetida) cria a tentação de achar que tanto faz, que é melhor assim ou algo do gênero.

Talvez seja. Nós nos acostumamos tanto a relativizar as escolhas, qualquer escolha, que terminamos por diminuir o que não precisaria ser diminuído.

Não conheço a obra de Herta Müller. Não tenho como julgar se houve ou não merecimento, mas tenho a impressão de que Roth está, desde quinta-feira, um pouco mais triste. E, de modo ingênuo e sentimental, fico com pena...

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Clipping da Internet (Parte II)

Nossa! Como teve notícia que li nos últimos dias e faltou tempo para postar. Mas vamos tirar o atraso...

MEC anuncia os livro do PNBE 2010
Fonte: PublishNews

"O MEC publicou nesta quarta-feira, 14/10, no Diário Oficial da União a lista das obras selecionadas para o Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE) 2010. Os livros escolhidos serão distribuídos para escolas municipais, estaduais e federais que atendem ao ensino fundamental e/ou médio e às instituições de educação infantil (creches e pré-escolas). No total foram selecionados 250 títulos de 100 diferentes editoras (algumas pertencem ao mesmo grupo empresarial). Embora o Grupo Ediouro tenha tido o maior número de títulos selecionados, a quantidade de editoras com títulos na lista é bastante expressiva. Confira a lista completa no site do Diário"



Finalistas do National Book Award
Fonte: PublishNews (por Lynn Andriani)


"A National Book Foundation anunciou nesta quarta-feira, 14/10, os finalistas do National Book Awards 2009. Um autor estreante, três finalistas de edições anteriores e a segunda Graphic Novel da história do prêmio estão na lista que tem cinco finalistas em cada uma das quatro categorias (Ficção, Não-ficção, Poesia e Literatura para jovens). A editora Macmillan colocou cinco autores nesta fase; Randon House emplacou três finalistas e a Houghton Mifflin Harcourt e a Norton duas cada uma. Entre os finalistas de ficção figuram três autores não americanos: o paquistanês Daniyal Mueenuddin, o irlandês Colum McCann e o ugandense que hoje vive em Londres, Marcel Theroux. No site da NBF você confere a lista completa dos finalistas."


Adaptações de clássicos
Fonte: PublishNews (matéria do JB OnLine, por Alvaro Costa e Silva)

"A divina comédia, de Dante, para meninos e meninas? Pois é, está tudo lá sem tirar nem pôr: a selva escura; a pantera, o leão e a loba que impedem a chegada do narrador à colina; o guia Virgílio; Beatriz; o inferno, o purgatório e o paraíso. Mas, ao contrário da placa escrita à porta do inferno – “deixai toda esperança, ó vós que entrais” – o livro permite entrar à vontade. Não é quente nem fede a enxofre. Será quem sabe uma jornada feliz e curiosa, graças ao talento de Roberto Mussapi, na adaptação do texto, e à arte de Giorgio Bacchin, nas ilustrações. Ambos italianos, como Dante Alighieri, Mussapi e Bacchgin são responsáveis por outros títulos da coleção Mestres da literatura universal, recente lançamento da editora FTD. Além de A divina comédia, chegam às livrarias Fausto, de Goethe; O avarento, de Molière; e A tempestade, de Shakespeare. Todos com a marca da fidelidade possível aos textos originais, e a compreensão de que a leitura é destinada, prioritariamente, aos jovens.[Cada titulo custa R$ 27.]"

Conto de natal de Paul Auster
Fonte: PublishNews (matéria do JB OnLine, por Taynée Mendes)

"Como contar uma história de natal sem cair no sentimentalismo meloso e por vezes hipócrita geralmente associado à ocasião? Foi o que o escritor americano Paul Auster se propôs a fazer em Conto de Natal de Auggie Wren (Cia das Letras, 48 pp., R$ 36), edição especial com ilustrações da artista argentina Isol. Perto do Natal, um jornalista do The New York Times telefonou para Paul – um escritor com o mesmo prenome de Auster – solicitando um conto por encomenda. Aflito com o desafio, pois nunca escrevera algo do gênero, Paul pede ajuda ao balconista Auggie Wren, "um sujeitinho estranho que usava um suéter azul com capuz" e trabalhava em uma tabacaria no Brooklyn. Até lhe pedir uma história de Natal, Auggie era apenas o cara do balcão para Paul. “Um conto de natal?”, perguntou Auggie. “É só isso? Se me pagar um almoço, meu amigo, vou contar para você a melhor história de Natal que já ouviu. E garanto que cada palavra dessa história é pura verdade”."


Parque temático de Harry Potter
Fonte: PublishNews (matéria do O Estado de S. Paulo)

"Resolvido de uma vez por todas o mistério da localização de Hogwarts. A escola de bruxarias, a vila de Hogsmeade e até o correio-coruja não poderiam estar em outro lugar senão em Orlando, na Flórida. É lá que a Universal Resort construiu o parque temático de Harry Potter, que tem a inauguração prevista para março de 2010. A chegada no The Wizarding World of Harry Potter será por Hogsmeade, a vila mágica com ares medievais onde fica o bar Três Vassouras. É lá que, na versão criada pela Universal, o visitante poderá provar as famosas cervejas amanteigadas. O Cabeça de Javali, frequentado por bruxos de reputação duvidosa, será outra opção para matar a fome. Feijõezinhos de todos os sabores, sapos de chocolate e suco de abóbora estarão nos cardápios, além de pratos tradicionais da culinária inglesa. Mas a atração mais esperada, repleta de efeitos especiais, promete ser Harry Potter and the Forbidden Journey, que levará os turistas a uma viagem por dentro do castelo de Hogwarts."

Feira de Frankfurt tem edição econômica
Fonte: PublishNews (matéria da Folha de São Paulo, por M. Strecker)

"Por mais que os organizadores tentem aparentar normalidade, é senso comum que a 61ª Feira do Livro de Frankfurt está mais econômica e modesta por conta dos efeitos da crise. As delegações internacionais estão enxutas, a oferta de títulos para editores diminuiu e o circuito "social" encolheu. Os dados oficiais indicam retração modesta. Segundo Roberto Feith, da Objetiva, com a retração vão sofrer mais os títulos "midlist", aqueles que vendem bem, "mas não o suficiente para fazer o ano de uma editora". Luciana Villas-Boas, diretora-editorial da Record, concorda que os títulos intermediários serão os mais afetados. Entre os best-sellers, no entanto, o mercado continua aquecido. O "título da feira" é a coletânea de diários, notas e cartas de Nelson Mandela. Outro título que está sendo muito comentado é uma "graphic novel" de Michael Jackson. Para Paulo Rocco, da editora Rocco, a disputa pelos best-sellers continua, ainda que a média dos preços negociados tenha caído. O livro de Mandela já provoca corrida entre editores brasileiros, que tiveram nos últimos meses disputas ousadas por best-sellers. O maior exemplo é o leilão que movimentou as editoras na semana passada, a trilogia A Discovery of Witches, de Deborah Harkness, que deve sair em 2011. A Rocco venceu a disputa e pagou cerca de US$ 165 mil pelos direitos de publicação do primeiro volume. É uma cifra elevada, mesmo comparando com o US$ 1 milhão negociado para o mercado americano."

Frankfurt no Brasil
Fonte: PublishNews (por Fernando Alves, correspondente especial do PublishNews, em Frankfurt)

"Nesta quarta-feira, 14/10, um acordo entre a organização da Feira do Livro de Frankfurt e a Câmara Brasileira do Livro (CBL) selou a realização, já em 2010, e no Brasil, de três grandes eventos conjuntos. Ao longo do próximo ano, brasileiros e também estrangeiros assistirão a três congressos de envergadura. O primeiro deles guarda similaridade com o TOC – Tools of Change, ampla discussão acerca dos rumos da literatura em suportes digitais. “A grande diferença é que na edição brasileira teremos dois dias de discussões, ampliando, assim, a possibilidade de aprofundar a troca de idéias entre os participantes, que vêm do mundo todo, já que o mailing utilizado soma-se ao da Feira de Frankfurt”, informou Rosely Boschini, presidente da CBL, em entrevista ao PublishNews. O segundo congresso terá como tema central a educação e o terceiro será dedicado à atividade livreira. Seus locais e suas datas de realização serão divulgadas em breve, mas sabe-se já que o primeiro deles, de suportes digitais, será realizado ainda no primeiro semestre. O acordo marca uma aproximação crescente entre as duas instituições, que deve render frutos no futuro próximo. A participação do Brasil na Feira do Livro de Frankfurt, aliás, é percebida pelos visitantes estrangeiros e pelos próprios brasileiros de forma muito positiva. “O estande do Brasil vem mudando a cada ano. Percebemos que a frequência é cada vez mais profissional, mais organizada. Neste ano, está impecável”, afirmou Theo Ferrer, da editora, livraria e distribuidora TFM, de Frankfurt."


Vale Cultura é aprovado na Câmara
Fonte: O Estado de São Paulo (Por Jotabê Medeiros)

"O plenário da Câmara dos Deputados aprovou anteontem à noite o projeto de lei que cria o Vale Cultura, encaminhado ao Congresso pelo Ministério da Cultura. Trata-se de um vale mensal de R$ 50, semelhante ao Vale Refeição (mas para ser gasto com cultura), que será destinado a trabalhadores que ganham até cinco salários mínimos. O projeto, que tramita em regime de Urgência Urgentíssima, agora vai ser votado no Senado e depois vai à sanção do Presidente Lula, e a previsão é a de que seja colocado em prática já no ano que vem.

O Vale Cultura será distribuído às empresas que aderirem ao Programa Cultura do Trabalhador e poderá ser usado na compra de livros, ingressos para cinemas, teatros e museus. A matéria precisa ser votada ainda pelo Senado. " ( Leia mais )


Roberto Bolaño vence Prêmio Cunhambebe
Fonte: PublishNews (matéria de O Estado de S. Paulo)

"A segunda edição do Prêmio Cunhambebe escolheu o livro de contos Putas assassinas (Companhia das Letras, 224 pp., R$ 38 – Trad.: Eduardo Brandão), do escritor chileno Roberto Bolaño, como melhor livro de ficção estrangeiro publicado no Brasil em 2008. Em segundo lugar ficou o romance História do pranto (Cosac Naify, 88 pp., R$ 35 – Trad.: Josely Vianna Baptista), do argentino Alan Pauls, seguido do romance O encontro (Alfaguara, 248 pp., R$ 36,90 - Trad.: José Rubens Siqueira), da irlandesa Anne Enright. Na edição deste ano, participaram 39 livros, com concorrentes de língua inglesa, francesa, espanhola, alemã, holandesa, árabe e chinesa."


Os Dez Mandamentos de Quiroga ainda geram debate
Fonte: JBOnline (Por Raimundo Carrero)

"RIO - Depois que Moisés desceu do Monte Sinai com os Dez Mandamentos nas tábuas e nas mãos, não faltou mais quem ditasse regras à vida e à arte. Horácio chegou a estabelecer as leis fixas – assim mesmo, fixas – para a poesia. Nem precisa lembrar Aristóteles que criou imensos conceitos sobre a arte de escrever, embora a história garanta que ele não escreveu nada, fez apenas breves anotações para um curso de teatro. O livro, porém – A poética – é amado, adorado, consultado. Todo bom – ou mau – escritor conhece-o. É leitura obrigatória. Sempre.

O escritor húngaro Stephen Vizinczey publicou também um decálogo severo – discutido no meu livro Os segredos da ficção, em que há pelo menos uma exortação determinante no sétimo artigo: “Não passarás um só dia sem ler algo grande”. E conclama o escritor a não ter empregos nem vícios, com uma vida inteiramente dedicada à narrativa. Cortázar reduziu seu “decálogo” a apenas dois artigos definitivos: 1) “O conto é uma espécie de luta de box que termina por nocaute no primeiro round”; 2) “O romance é uma luta longa que termina no último round por pontos”. Mário de Andrade ironizou: “Todo conto é aquilo que chamo de conto e crônica é tudo aquilo que chamo de crônica”. Para José Castello, que reclama liberdade absoluta do criador, sem amarras nem leis, mesmo subjetivas, “um escritor não se submete a regras. Por que descartar adjetivos e privilegiar os substantivos? Isso pode ser verdadeiro em um relato, mas pode ser inteiramente falso em outro”. Tem razão. Não existem leis absolutas na criação.

Agora o debate cresceu. Agigantou-se. Essa declaração de Castello, por exemplo, está no livro Decálogo do perfeito contista, organizado por Sergio Faraco e Vera Moreira para a L&PM. Mais adiante, Aldyr Garcia Schlee afirma que o decálogo de Horacio Quiroga tem uma rigidez cretina, ao contrário do deboche de Los trues del perfecto cuentista e da ironia de El manual del perfecto cuentista, também escritos pelo contista famoso. Nem por isso o Uruguai deixou de tomar um susto. Quiroga passou a ditar leis e a escrever manuais e decálogos para os ficcionistas, a partir da década de 20, no século passado. Regras objetivas para uma vida desregrada. Apesar de combatido e, em muitos casos, insultado – como ocorre ainda hoje em vários níveis, invejas e mentiras ocupam o mesmo corredor – o Decálogo do perfeito contista, passado quase um século, é examinado e debatido; riscado e guardado. Assim acontece com o volume agora publicado com um longo e saudável debate, reunindo 20 escritores brasileiros das mais diversas origens."
( Leia mais )

Clipping da Internet (Parte I)

Bem, vamos ao post que começou às 6 da manhã e só agora vou conseguir terminá-lo...

Editores do futuro em pé de guerra
Fonte: Postagem do blog do Galeno Amorim - 15/10/2009

"Estudantes dos cursos de Editoração estão fulos da vida com o MEC. O motivo é a abertura de uma consulta pública na qual o tradicional bacharelado em Editoração (ou Produção Editorial), área da Comunicação Social, passa a aparecer como “curso superior de tecnologia em produção multimídia”. A chiadeira da moçada faz todo sentido: mais do que técnicos, é preciso formar bons editores.

A consulta termina nesta sexta. Para saber mais, clique aqui."

Entrevista com William Bonner na GNT, no domingo
Fonte: Patrícia Kogut


William Bonner deu entrevista à Marília Gabriela, no programa da GNT, sobre seu livro "Jornal Nacional - Modo de Fazer". A conversa irá ao ar no domingo.

SESC Pompéia realiza encontro literário
Fonte: PublishNews

"O SESC Pompéia (Rua Clélia, 93. São Paulo/SP. Tel.: 11 3871-7700) realiza até o mês de dezembro o projeto “Tertúlia Tradutores”, uma série de encontros gratuitos com alguns dos principais nomes da tradução. Além do contato direto com a literatura mundial, o projeto proporciona ao público a oportunidade de conhecer mais sobre o autor, sua obra e o trabalho de tradução para o português. O projeto propõe um bate-papo sem mediações, com foco na obra de cada autor. A programação do encontro apresenta autores como J. M. Coetze por José Rubens Siqueira (25/10), Gabriel Garcia Marquez por Eric Nepomuceno (8/11), Dostoievski por Paulo Bezerra (15/11), Charles Baudelaire por Ivan Junqueira (29/11) e Tolstoi por Boris Schnaiderman (13/12). Todos os encontros são transmitidos pelo Portal SESC SP ao vivo."

Nobel de Literatura vai para Herta Muller
Fonte: PublishNews

"Herta Muller “retrata a paisagem dos despossuídos com a concentração da poesia e a franqueza da prosa”. Assim a Real Academia Sueca de Ciências descreveu a obra da romena naturalizada alemã de 56 anos que levou este ano o Prêmio Nobel de Literatura, com um polpudo cheque de mais de US$ 1 milhão. No Brasil a escritora tem uma obra publicada pela Editora Globo – O compromisso (204 pp., R$ 35) e a LP&M publicou o conto A canção de marchar, de Herta Müller, em Escombros e Caprichos: O Melhor do Conto Alemão no Séc. 20 (org. Rolf G. Renner e Marcelo Backes, 400 pp., R$ 54). Mas a escritora tem muitos outros escritos, tanto na prosa quanto na poesia. Sua primeira publicação foi uma coleção de contos chamada Niederungen em 1982, que censurado pelo regime romeno esperou quatro anos na editora até poder ser publicado."

Intriga real ganha o Man Booker Prize
Fonte: PublishNews (clipping de O Estado de São Paulo)

"O júri contemplou com o Man Booker Prize, anunciado na noite de terça, Wolf Hall, romance ambientado na corte de Henrique VIII. Com isso, a inglesa Hilary Mantel, de 57 anos, ganhou o prêmio de 54 mil. O livro relata a turbulência provocada na Inglaterra do século 16 quando o rei anuncia seu desejo de se casar com Ana Bolena. A história é narrada sob a perspectiva do conselheiro real, Thomas Cromwell. Durante a premiação, em Londres, Hilary confirmou que já escreve a continuação de seu romance vitorioso, cujo título deverá ser The Mirror and the Light. "A história vai acompanhar a ascensão de Cromwell até sua súbita desgraça", contou a autora em uma entrevista à rádio BBC. Hilary Mantel escreveu críticas de cinema antes de se aventurar na literatura, iniciando com um livro de contos. É autora ainda de um livro de memórias, Giving Up the Ghost, e de outros romances como Beyond Black, de 2005, selecionado para o Prêmio Commonwealth Writers e também para o Prêmio Orange de ficção."


Prêmio Leya
Fonte: PublishNews

"A segunda edição do Prêmio Leya divulgou na terça-feira, dia 13, o seu grande vencedor. O romance O olho de Hertzog, do escritor moçambicano João Paulo Borges Coelho, que levará para casa 100 mil euros como premiação. Todo o seu trabalho de ficção tem Moçambique como pano de fundo, o que não foi diferente no livro premiado. O título trata do contexto histórico dos combates das tropas alemãs contra as tropas portuguesas e inglesas na I Guerra Mundial, a emigração moçambicana para a África do Sul, a reação dos mineiros brancos, as primeiras greves dos trabalhadores negros e a emergência do nacionalismo moçambicano. Coelho estreou como escritor com o livro As duas sombras do rio, em 2003. Foi o vencedor do Prêmi José Craveirinha, de 2005, com o título As visitas do Dr. Valdez."